Como descobrir se a carne está estragada

As doenças resultantes do consumo de alimentos impróprios são responsáveis por milhões de casos de internação todos os anos e, na maioria das situações,…

As doenças resultantes do consumo de alimentos impróprios são responsáveis por milhões de casos de internação todos os anos e, na maioria das situações, a grande vilã da história é a carne estragada. Muitas pessoas acabam não se atentando para o assunto, mas o fato é que, quanto mais velha a carne se torna, maiores as chances de ser contaminada com algum microrganismo patogênico e poder causar doenças. Confira dicas de como descobrir se a carne está estragada.

Conheça os sintomas de intoxicação alimentar.

É muito importante saber identificar carnes impróprias para o consumo. (Foto: divulgação)

Conferindo a embalagem

O ideal é dar preferência para as carnes embaladas, em comparação àquelas compradas por quilo, pois é possível verificar a data em que o produto foi embalado, bem como seu prazo de validade. Caso o prazo de validade esteja vencido, é fundamental não levar o produto para casa, mesmo que o preço esteja muitíssimo atraente, pois o barato pode acabar saindo caro.

Coloração da carne

Nem sempre a carne precisa ter vencido o prazo de validade para que esteja inapropriada para o consumo, pois fatores como o transporte e armazenamento do produto, mesmo depois de embalado, são capazes de interferir em sua qualidade. Portanto, a dica é ficar de olho na coloração da carne.

Geralmente a coloração da carne de animais mais velhos tende a ser discretamente mais escura que a dos mais novos, o que é natural. Diferente do que a maioria das pessoas pensa, a tonalidade vermelho-brilhante não é a natural da carne fresca, que só adquire essa cor mais intensa devido ao contato com o ar. Peças bovinas embaladas a vácuo devem ter uma coloração vermelho-púrpura, enquanto as aves podem variar desde o tom branco-azulado até ao amarelo e a carne de porco deve ser cinza-rosado.

Carnes embaladas permitem a visualização do prazo de validade, que sempre deve ser respeitado. (Foto: divulgação)

Cheiro da carne

Cheirar a carne é uma atitude importante por ser super prática e eficiente no reconhecimento da carne ruim, independente do tipo. Caso o odor seja rançoso, semelhante a mofo ou muito desagradável, o mais prudente é não ingerir o produto, mesmo que seu aspecto seja bom.

Leia Também:  Reparar uma irregularidade em células cerebrais pode curar a esquizofrenia, diz estudo

Confira os alimentos que não devem ser ingeridos no calor.

Inspecionando a peça

O consumidor não deve se apressar em inspecionar o produto. Essa medida é muito importante e deve ser realizada imediatamente antes do preparo da carne, certificando-se de sua adequada condição para o consumo. É preciso atentar para a textura, que geralmente é viscosa e pegajosa nas carnes podres, um sinal da multiplicação bacteriana sobre sua superfície. Anormalidades na coloração, como regiões enegrecidas ou esverdeadas, podem significar que os fungos já começaram a crescer.

Veja algumas dicas para o armazenamento de comidas.

Produtos com coloração inadequada e textura viscosa não devem ser consumidos. (Foto: divulgação)

As carnes são alimentos delicados, que por influência de inúmeros fatores podem acabar apodrecendo. O consumidor deve se manter atento e saber identificar um produto impróprio para o consumo. Para isto, basta seguir as dicas.

Top