Mitos e verdades sobre células-tronco

O tema “células-tronco” ainda é bastante polêmico e cercado de controvérsias, que são causadas, em sua maioria, por mitos espalhados sobre o assunto. Como…

Por Editorial MDT em 23/01/2013

O tema “células-tronco” ainda é bastante polêmico e cercado de controvérsias, que são causadas, em sua maioria, por mitos espalhados sobre o assunto. Como nem todo mundo dispõe de tempo para fazer uma pesquisa e se manter atualizado, saiba mais e confira alguns mitos e verdades sobre células-tronco.

Saiba como as células-tronco prolongaram a vida de roedores com lesões neurais.

Os tratamentos com células-tronco são uma modalidade de terapia bastante moderna. (Foto: divulgação)

Tipos de células-tronco

Para entender melhor o tema é preciso conhecer os tipos de células-tronco, que basicamente podem ser classificadas em dois tipos, as adultas e as embrionárias:

Células-tronco adultas

As células-tronco adultas são bastante seguras e já são usadas pela medicina há mais de 50 anos para diversos tratamentos, como no combate à leucemia. Um exemplo desse tipo de terapia é o transplante de medula óssea, que nada mais é do que um transplante de células-tronco adultas. Além da medula óssea, é possível encontra-las no cordão umbilical e na polpa do dente de leite.

A célula-tronco adulta é considerada pluripotente, ou seja, apresenta um bom potencial para se reproduzir e se diferenciar, porém limitando-se apenas às linhagens celulares semelhantes à que deram origem.

Células-tronco embrionárias

O segundo tipo de células-tronco, chamadas embrionárias, são oriundas de um embrião, sendo consideradas totipotentes. Isso significa que possuem a capacidade de se diferenciar em qualquer tipo celular do corpo humano, além de apresentarem um gigantesco poder de reprodução. Infelizmente sua maior qualidade também é um grande defeito, pois essas células podem originar tumores.

Entenda o que é diferenciação celular.

A medicina já utiliza o transplante de células adultas há mais de 50 anos. (Foto: divulgação)

Mitos e verdades sobre as células-tronco

Acabe com as dúvidas e conheça os principais mitos e verdades sobre esse tema tão polêmico:

Os tratamentos disponíveis com células-tronco causam câncer

Mito. Como não existe no mundo nenhum tipo de tratamento realizado com células-tronco embrionárias que seja totalmente seguro, praticamente todas as terapias disponíveis utilizam células-tronco adultas, o que torna esse tipo de intervenção bastante segura. As células-tronco embrionárias são mais utilizadas para pesquisas científicas.

O transplante autólogo de células-tronco é mais eficiente

Mito. O transplante autólogo, isto é, aquele realizado com as células-tronco do próprio paciente, não possui eficácia superior e não representa nenhum tipo de risco à saúde do doador ou do receptor. As células-tronco representam uma pequena porção do sangue de determinada parte do corpo. Se até mesmo as transfusões completas de sangue atualmente são realizadas com segurança, a chance de complicações com a transfusão de uma porção ínfima do sangue é ainda menor.

Não é preciso encontrar um doador compatível para o transplante de células do cordão umbilical. (Foto: divulgação)

Sempre é necessário encontrar um doador compatível

Mito. Quando o assunto é células-tronco de cordão, não é necessário encontrar um doador compatível para garantir bons resultados. Isso acontece porque as células-tronco do cordão umbilical não possuem as características necessárias para provocar uma reação imunológica de rejeição no organismo do indivíduo receptor.

Os resultados dependem da quantidade de células-tronco recebida

Verdade. A quantidade de célula-tronco utilizada no tratamento está diretamente relacionada com os resultados, pois nem todas as células chegam ao órgão desejado, se espalhando pelo organismo e ajudando a resolver outros problemas de saúde. Das que atingem o alvo, uma parcela não irá aderir ao tecido, sendo incapaz de originar a linhagem celular desejada. Por isso que, quanto maior a quantidade de células-tronco utilizada na terapia, maiores as chances de um grande número de células se desenvolver da maneira esperada.

Conheça o banco de células-tronco que a USP pretende criar.

Os resultados da terapia dependem da quantidade de células-tronco transplantada. (Foto: divulgação)

Os tratamentos com células-tronco ainda são cercados de polêmicas e controvérsias, apesar dos estudos sobre o assunto estarem bem avançados. Apesar de ser uma terapia bastante moderna, é importante frisar que não é possível garantir os resultados esperados.

Top