As drogas que mais matam no Brasil

As drogas são substâncias que afetam o organismo, sobretudo quando usadas em grandes quantidades. Quando o vício fica totalmente fora de controle, o indivíduo…

Por Isabella Moretti em 03/06/2012

O álcool é a droga que mais mata brasileiros.

As drogas são substâncias que afetam o organismo, sobretudo quando usadas em grandes quantidades. Quando o vício fica totalmente fora de controle, o indivíduo pode acabar tendo um fim trágico: a morte. Apesar de muitas pessoas considerarem as drogas ilícitas como as mais fatais, uma pesquisa comprovou que o maior responsável por óbitos no Brasil é o álcool, ou seja, uma droga lícita.

☰ CONTEÚDO

Entenda a pesquisa

Um estudo realizado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) mostrou que, entre os anos de 2006 e 2010, 40,6 mil mortes aconteceram por causa de substâncias psicoativas. No ranking que apontou as drogas mais prejudiciais à saúde, a liderança ficou por conta do álcool, sendo responsável por em média 85% das mortes.

Para realizar a pesquisa, a CNM considerou as informações do Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde. O levantamento procurou considerar a quantidade de mortes em decorrência de álcool em todos os estados, concluindo que as quatro primeiras posições são ocupadas por Sergipe, Ceará, Minas Gerais e Paraná.

O álcool obteve tanta relevância na pesquisa que foi capaz de superar o tabagismo, a cocaína e o crack. O levantamento apresentou este resultado porque considerou as consequências do uso da droga lícita, ou seja, as doenças crônicas e acidentes de trânsito.

Leia também: Os principais motivos para evitar as drogas

Álcool e cigarro superam as drogas ilícitas

Segundo a pesquisa, álcool e cigarro são responsáveis por 96% das mortes.

Muitos médicos consideram o álcool como a droga mais perigosa, pois ela é legalizada e de fácil acesso. Além dos acidentes que são causados por motoristas embriagados, é importante lembrar que o alcoolismo pode ser responsável por doenças perigosas e fatais, como é o caso das hepáticas.

A pesquisa da CNM revelou ainda que, álcool e cigarro juntos, correspondem a 96% dos mais de 40 mil óbitos contabilizados. Dentro da pequena parcela restante, aparecem a cocaína e o crack, que matam diretamente pelo consumo.

O resultado do estudo surpreende e levanta a questão se é realmente válido legalizar determinadas drogas tidas como ilícitas. Como demonstram os dados, a maior parcela de mortes acontece por causa do álcool e do fumo, duas substâncias legalizadas. Ou seja, se os narcóticos fossem liberados, eles seguiriam o mesmo caminho dos líderes do ranking, matando ainda mais pessoas.

Saiba mais: FHC defende a regulamentação da maconha

Em geral, estima-se que a cada ano, mais de 8 mil pessoas morrem em virtude do uso de drogas lícitas e ilícitas no Brasil. Um índice preocupante e que requer atenção.

O alcoolismo causa doenças e aumenta as chances de acidentes de trânsito.

Outra pesquisa

A University of South Wales (Sydney-Austrália) realizou um estudo considerando dados mundiais. De acordo com os pesquisadores, 250 mil pessoas morrem no mundo em decorrência de drogas proibidas. No entanto, o uso abusivo do álcool resulta em 2,25 milhões de óbitos por ano e o cigarro mata 5,1 milhões anualmente.

 

Top