Menu

Saúde

Atualizado em 12 de dezembro de 2012, às 7:54 por Analu
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > Síndrome de talidomida: o que é

O uso indevido de medicamentos por gestantes pode causar problemas. Saiba mais sobre a síndrome da talidomida.

O vício faz parte da vida moderna, devido a isso é possível encontrar pessoas viciadas em cigarro, jogo ou medicamentos. A esse último, podemos relatar as pessoas que são viciadas em talidomida, uma substância encontrada em sedativos, por exemplo. Tendo isso em vista, separamos algumas informações sobre o que é a síndrome de talidomida.

Conheça mais sobre a talidomida.

551182 A talidomida pode ocasionar malformações nos fetos. Foto divulgação Síndrome de talidomida: o que é A talidomida pode ocasionar malformações nos fetos. (Foto: divulgação)

O real significado de talidomida

A talidomida é uma substância encontrada em diversos medicamentos, entre eles podemos incluir: sedativos, anti-inflamatórios e hipnóticos. Apesar da sua frequente utilização, ela possui efeitos teratogênicos, ou seja, a substância pode atravessar a placenta e ocasionar problemas no feto e à vida das gestantes.

Um pouco da história da talidomida

A talidomida foi descoberta pelos alemães, chegando ao mercado na década de 50. Na época, ela foi comercializada como um tipo de sedativo e hipnótico, apresentando poucos efeitos colaterais. No começo, ela era vista como um medicamento muito seguro e, por isso, era prescrita às gestantes no intuito de combater enjoos matinais.  Como resultado, as mulheres grávidas que fizeram uso do medicamento deram a luz a bebês com malformações, tronando seu consumo contraindicado durante a gestação.

Saiba mais sobre a substância

A talidomida é um derivado do ácido glutâmico e, em sua estrutura, apresenta dois anéis de amida e um único centro quiral. Esse composto existe na forma de mistura equivalente dos isômeros e que interconvertem com as condições fisiológicas do organismo e são atribuídos aos efeitos colaterais.

551182 A talidomida é uma substância encontrada em diversos medicamentos. Foto divulgação Síndrome de talidomida: o que é A talidomida é uma substância encontrada em diversos medicamentos. (Foto: divulgação)

O uso controlado no território nacional

O uso da talidomida no Brasil é regulamentada pela portaria SVS/MS n° 354, de 15 de Agosto de 1997. No estado do Rio de Janeiro, foi editada a resolução SES n° 1504, de 15 de Junho de 2000, com o objeto de criar um grupo de controle de seu uso terapêutico. Todas essas leis visam a proibição do uso da talidomida por mulheres grávidas ou que estejam na idade fértil, em todo o país.

Conhecendo mais sobre a síndrome da talidomida

A má formação ocasionada em filhos de mães que utilizaram a substância talidomida durante a gestação, o que resulta na síndrome da talidomida. Segundo dados, cerca de 10 mil pessoas foram afetadas pelo medicamento em todo o mundo. Devido a isso, no ano de 1982, as vítimas da síndrome começaram a receber uma pensão alimentícia. Além disso, no ano de 2010 foi criada uma lei que prevê a indenização, por danos morais, das vítimas da síndrome.

551182 Diversas leis defendem os direitos dos indivíduos que sofreram as consequências do uso da talidomida. Foto divulgação Síndrome de talidomida: o que é Diversas leis defendem os direitos dos indivíduos que sofreram as consequências do uso da talidomida. (Foto: divulgação)

A substância talidomida é muito utilizada em medicamentos, em especial, por sedativos, hipnóticos e anti-inflamatórios. Seu uso indiscriminado pode trazer graves consequências à saúde de mulheres grávidas, assim como contribui para o desenvolvimento de malformações infantis. Após conhecer um pouco mais sobre a síndrome da talidomida, é necessário estar atento aos medicamentos utilizados, assim como buscar a orientação e um especialista para evitar graves consequências.

Conheça alguns cuidados para as mulheres grávidas.

A categoria Saúde do portal Mundodastribos.com é um espaço informativo de divulgação e educação sobre os temas relacionados à saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento, sem antes consultar um profissional de saúde.

RECEBA OS ARTIGOS VIA EMAIL

Ao subscrever nossa newsletter, passar receber nossos artigos por email e informações sobre os nossos passatempos. É gratuito e sem spam.