Quem tem direito ao auxílio-reclusão?

Felipo Bellini 05/11/2021 Notícias

Quando um contribuinte do INSS é preso em regime fechado, os seus dependentes são passíveis de receber o auxílio-reclusão. Essa é uma medida do Sistema Previdenciário para que a família do presidiário não fique desamparada. Apesar de ser visto como uma garantia polêmica, o auxílio visa atender à família do preso pelo tempo em que este estiver recluso.

Quem tem direito ao auxílio-reclusão

Fonte/Reprodução: original

Boa parte do equívoco expressado nas opiniões é gerado por falta de informação. Alguns não sabem em quanto o valor do auxílio é estimado, ao passo que outros desconhecem quem realmente pode exercer tal direito. O erro mais comum é achar que o auxílio-reclusão é usufruído pelo próprio presidiário.

É necessário que uma série de pré-requisitos seja obedecida para que ocorra a autorização desse benefício previsto em lei, como tempo de contribuição e teto máximo. As normas também se aplicam à natureza das próprias relações familiares.

Como funciona o auxílio-reclusão?

O benefício previdenciário possui um valor calculado e um tempo específico de duração. O valor do auxílio, na prática, é semelhante ao de uma aposentadoria por invalidez. Mas, isso só ocorre se o presidiário possui um salário abaixo, ou igual a R$ 1.503,25 (o INSS ajusta os valores anualmente).

O valor do auxílio-reclusão é sempre correspondente ao salário mínimo do ano vigente em que ocorre o regime fechado. Logo, é importante diferenciar valores. O valor ajustado é para determinar a condição de baixa-renda do segurado. Já o salário mínimo vigente é o valor do auxílio que a família recebe mensalmente.

O prazo para que a família comece a usufruir do auxílio-reclusão é de até 90 dias após a prisão. Também vale notar que o benefício funciona independente se o presidiário exercer qualquer trabalho enquanto recluso.

O que é preciso para receber auxílio-reclusão?

Um dos critérios para que a família receba o auxílio é o regime no qual o presidiário se encontra. O benefício só é garantido quando o regime é fechado, de reclusão total. Não é possível ter o auxílio em casos de regime semi-aberto, aberto ou de detenção.

Esse critério é uma condição inegociável. No momento em que o presidiário deixa a reclusão, seja por ocasião de fuga, liberdade ou mudança para qualquer outro regime, o auxílio-reclusão é suspenso.

Os familiares que se encaixam nos critérios para receber o auxílio são: cônjuge (marido, mulher, companheiro ou companheira), filhos e irmãos não emancipados, menores de 21 anos. Também estão inclusos os pais. No caso em que algum familiar entre pais, cônjuge, filhos e irmãos seja deficiente, também há direito ao benefício.

No que diz respeito à documentação, é preciso reunir:

  • Documento com foto do preso e dos familiares a receberem o auxílio
  • Carteira de trabalho ou documento que comprove o vínculo com o INSS
  • Declaração de cárcere, que fica a cargo da própria unidade prisional e que deve ser atualizada a cada três meses
  • Documentos que declarem a relação de dependência (certidão de nascimento, de casamento, documentos de uma conta conjunta)

Em caso de qualquer um desses documentos faltar, não será possível que a família receba o auxílio-reclusão.

Quem nunca trabalhou de carteira assinada tem direito a auxílio-reclusão?

É possível que a família do preso seja beneficiada, mesmo que ele nunca tenha trabalhado de carteira assinada. Contudo, isso não significa que o benefício será recebido sem que haja comprovação do pagamento da contribuição.

Além da carteira assinada, existem outros documentos cuja função é provar a contribuição, como o carnê de recolhimento de contribuição do INSS. O importante é compreender que o benefício não se estabelece pelo tipo de documento, mas pelo fato do preso ter contribuído.

O tempo de contribuição também conta para que o auxílio seja permitido. Só é possível garantir o auxílio se o preso já completou 24 meses de contribuição. Isso sem negligenciar o critério da baixa renda. Por fim, se o presidiário já dispõe de qualquer outro benefício previdenciário, não é possível que a família receba o auxílio-reclusão.

As controvérsias por trás do auxílio-reclusão podem ser reduzidas uma vez que se compreende quem são os reais destinatários desse benefício. Também vale lembrar o quanto os requisitos para a solicitação e recebimento são difíceis de atingir. Em outras palavras, verdadeiros obstáculos para que somente as famílias necessitadas possam recebê-lo.

Outros artigos

Novos cursos da Unesp 2014

19/09/2013

Novos cursos da Unesp 2014

A UNESP (Universidade Estadual Paulista) está com inscrições abertas para o seu vestibular 2014. A instituição de ensino superior pretende ocupar 7.259 vagas, distri...

Loja Online de Bicicletas

16/02/2011

Loja Online de Bicicletas

Bicicletas também são consideradas boas alternativas para que possamos nos exercitar, nada melhor do que andar de bike acompanhado de alguém importante pra ...

Como Regularizar o Título Eleitoral ?

30/09/2015

Como Regularizar o Título Eleitoral ?

As eleições estão chegando e manter o título eleitoral sempre em dia é fundamenta. Mas afinal, como regularizar o título eleitoral? Antes de falar do procedimento, é...