Dor ao amamentar: o que pode ser, como tratar

Dor ao amamentar: o que pode ser, como tratar

A amamentação é um momento muito especial de total ligação entre a mãe e seu bebê. Infelizmente alguns problemas, como é o caso da…

Por Editorial MDT em 30/09/2013

A amamentação é um momento muito especial de total ligação entre a mãe e seu bebê. Infelizmente alguns problemas, como é o caso da dor ao dar de mamar, são capazes de comprometer o aleitamento e atrapalhar o vínculo afetivo, além de privar o pequenino desse alimento tão especial. Acabe com as dúvidas e saiba o que pode ser e como tratar a dor ao amamentar.

Saiba quais as principais causas de dor durante a amamentação e como combater. (Foto: divulgação)

Por que os seios doem na amamentação

  • Reflexo de ejeção láctea

Algumas mulheres podem sentir uma discreta dor nos seios quando eles estiverem cheios antes da próxima mamada. Conhecido como reflexo de descida ou de ejeção do leite, é resultando da ação do hormônio ocitocina, que estimula os músculos do seio a drenar todo o leite.

Nos primeiros dias após o parto esse tipo de dor costuma ser desencadeado pela sucção do bebê, mas com o passar do tempo pode ocorrer em consequência de qualquer estímulo que faça a mãe pensar na criança. Os sintomas podem variar muito de uma mulher para outra, indo desde um leve formigamento até uma forte pressão acompanhada de dor e vão naturalmente diminuindo com o passar do tempo.

  • Pega incorreta

A causa mais comum de dor durante a amamentaçãoé a pega ou posicionamento inadequado da criança durante as mamadas. O pequenino deve abocar todo o mamilo e a maior parte possível da aréola, e se posicionar com a cabeça logo a frente do seio materno, mantendo a barriguinha encostada com a da mãe. A dor causada pela pega incorreta é localizada no mamilo, que pode ainda ter lesões como fissuras, além de sangramentos.

Massagens nos seios ajudam a diminuir a dor. (Foto: divulgação)

  • Produção excessiva de leite

É bastante comum algumas mulheres que costumam produzir bastante leite acabarem apresentando uma dor profunda no seio após a amamentação. Na maioria dos casos não é preciso se preocupar com esse tipo de problema, pois com o passar do tempo a quantidade de leite produzida é naturalmente ajustada para atender somente as necessidades do filho.

  • Ingurgitamento mamário

Quando as células produtoras de leite estão demasiadamente distendidas, ocorre o ingurgitamento mamário, que dificulta a descida do leite, tornando o processo muito doloroso. Os sintomas mais comuns são sensação de mamas inchadas, pesadas e endurecidas. O uso de analgésicos (sempre com orientação médica) associado a massagem vigorosa nas mamas e compressas quentes é capaz de solucionar o problema.

  • Mastite

O entupimento dos ductos de leite provoca a mastite, que deixa as mamas endurecidas, vermelhas, muito doloridas e ainda provoca febre. Não é incomum notar a saída de pus pelo bico do peito, associado a uma dor aguda e bastante característica. Nesses casos é fundamental procurar um médico para avaliar a situação, mas a massagem e retirada manual do leite ajudam a minimizar a dor.

O posicionamento adequado da criança é muito importante para evitar as fissuras. (Foto: divulgação)

A dor durante a amamentação é um problema bastante frequente e que é capaz de comprometer o aleitamento, além de privar a criança dos benefícios que o leite materno é capaz de oferecer. Por isso é importante saber identificar as possíveis causas do problema e trata-lo corretamente.

Top