Menu

Saúde

Atualizado em 17 de maio de 2013, às 11:40 por Analu
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > Ataque cardíaco fulminante: como evitar

O ataque cardíaco, ou infarto fulminante, pode ser causado por vários fatores. Veja como evitar esse problema.

O ataque cardíaco fulminante é um estado de emergência médica que pode levar o indivíduo a óbito. Ele se manifesta gerando sintomas como falta de ar e dor súbita do peito, em pessoas que muitas vezes não sofrem com problemas cardíacos. Saiba mais sobre o assunto e veja como evitar o ataque cardíaco fulminante.

620616 O ataque cardíaco pode ser causado por vários fatores. Foto divulgação Ataque cardíaco fulminante: como evitar O ataque cardíaco pode ser causado por vários fatores. (Foto: divulgação)

Causas do ataque cardíaco fulminante

O ataque cardíaco ou infarto fulminante é causado, na maior parte dos casos, pela obstrução do fluxo sanguíneo na artéria carótida. A obstrução ocorre pelo acúmulo de placas de gordura, que ficam presa a parede interna do vaso. Com o tempo essa placa vai aumentando até conseguir bloquear totalmente a passagem do sangue.

Outra possível causa do ataque cardíaco fulminante é uma placa de gordura mole, que não está presa no vaso, mas que por alguma causa pode aumentar de tamanho e bloquear a passagem do sangue, gerando o infarto. Essas placas nem sempre são diagnosticadas nos exames cardíacos, sendo as principais responsáveis pela maior parte dos ataques fulminantes.

As pessoas que estão acima do peso, possuem colesterol alto ou que tenham triglicérides aumentados no sangue, são mais suscetíveis a sofrer um ataque cardíaco. Ao suspeitar do problema, o indivíduo deve ser encaminhado o mais rápido possível para um hospital.

Fatores como diabetes mellitus, estresse, hipertensão arterial, uso de drogas ilícitas, frio intenso e excesso de atividade física podem favorecer o surgimento de um ataque cardíaco.

620616 A tontura pode ser um sinal de ataque cardíaco fulminante. Foto divulgação Ataque cardíaco fulminante: como evitar A tontura pode ser um sinal de ataque cardíaco fulminante. (Foto: divulgação)

Veja também como reduzir os riscos de derrame e infarto 

Sintomas de um ataque cardíaco fulminante

O infarto, ou ataque cardíaco, pode ocorrer sem sintomas, porem na maior parte dos casos a pessoa apresenta:

  • Dor ou sensação de peso no braço esquerdo;
  • Formigamento nas mãos e braços;
  • Dor no peito durante alguns minutos ou horas;
  • Dor que irradia para as costas, mandíbulas ou face interna dos braços;
  • Náuseas;
  • Falta de ar;
  • Vômitos;
  • Suor excessivo;
  • Palidez;
  • Tontura;
  • Ansiedade.

Como evitar um ataque cardíaco fulminante

Nem sempre é possível prever quando o indivíduo sofrerá um ataque cardíaco fulminante. Porém, quanto mais fatores de risco uma pessoa possuir, maior será a chance der ter problemas nas coronárias, aumentando as chances de infarto. Pessoas com muitos fatores, principalmente homens acima de 50, devem ser avaliados por um cardiologista.

prevenção do ataque cardíaco consiste no tratamento e na prevenção dos fatores de risco como diabetes, hipertensão, tabagismo, uso de drogas, obesidade, colesterol alto, alcoolismo e alimentação inadequada. O ideal é adotar hábitos de vida saudáveis, ter uma boa alimentação e praticar exercícios físicos para evitar o problema.

620616 A pressão arterial alta é um fator de risco para ataque cardíaco fulminante. Foto divulgação Ataque cardíaco fulminante: como evitar A pressão arterial alta é um fator de risco para ataque cardíaco fulminante. (Foto: divulgação)

Veja também infarto precoce, como acontece 

O ataque cardíaco fulminante é responsável por um grande número de mortes todos os anos. Esse problema pode ser causado por vários fatores e a prevenção consiste no tratamento deles. Para evitar o infarto ou ataque cardíaco é preciso aderir novos hábitos de vida saudáveis e fazer consultas periódicas com um cardiologista.

 

A categoria Saúde do portal Mundodastribos.com é um espaço informativo de divulgação e educação sobre os temas relacionados à saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento, sem antes consultar um profissional de saúde.