Zelboraf: Novo medicamento contra melanoma dobra sobrevida

Uma recente pesquisa divulga o desenvolvimento de um novo medicamento para tratar o tumor avançado de pele ou melanoma metastático que pode dobrar período…

Por Editorial MDT em 27/02/2012

Imagem: (Foto Divulgação)

Uma recente pesquisa divulga o desenvolvimento de um novo medicamento para tratar o tumor avançado de pele ou melanoma metastático que pode dobrar período médio de sobrevida. O Zelboraf (vemurafenibe) criado pela empresa Genentech, nos EUA, foi acatado pelo FDA, órgão de controle de alimentos e medicamentos no ano passado. É o primeiro medicamento desenvolvido para tratar a doença em 13 anos.

No Brasil, o medicamento foi aprovado em janeiro pela Anvisa, todavia, ainda não foi disponibilizado para venda no comércio. A pesquisa mais atual, cujas decorrências foram divulgadas na revista médica New England Journal of Medicine, acompanhou pouco mais de 130 participantes em 13 unidades médicas  do EUA e Austrália. Os indivíduos tratados com a Zelboraf viveram em média 15,9 meses depois da metástase, contra uma perspectiva de nove meses.

“Sabíamos que este medicamento reduzia os melanomas em grande parte dos pacientes e que funcionava melhor que a quimioterapia, mas ainda não sabíamos que faziam os pacientes viver mais tempo”, disse Antoni Ribas, coordenador da pesquisa e professor de hematologia e oncologia do Jonsson Cancer Center, da Universidade da Califórnia, em Los Angeles.

A droga pode ser empregada para tratar 50% dos indivíduos diagnosticados com a doença, ou aproximadamente 4.000 indivíduos nos EUA anualmente, segundo o autor da pesquisa. Consumido em forma de capsula duas vezes por dia, o remédio atua impedindo a proteína associada ao desenvolvimento celular em pessoas com melanoma avançado cujos tumores marcam a transformação genética conhecida por BRAF V600E.

No total, 53% das pessoas com essa transformação genética apresentaram uma queda de seus tumores em mais de 30%, enquanto outros 30% tiveram quedas menores. O medicamento não gerou resultados em 14% dos pacientes. Um inconveniente notado pelos pesquisadores, é que as pessoas parecem criar uma resistência ao tratamento ao longo do tempo. No entanto, já está sendo estudado maneiras para inibir esta ocorrência.

De acordo com o Inca (Instituto Nacional do Câncer), presume-se que 6.230 brasileiros desenvolvam a doença ainda neste ano. A OMS (Organização Mundial de Saúde) avalia que o câncer de pele acarreta 66.000 mortes todos os anos em todo o mundo, sendo 80% do total imputados aos melanomas.

Top