Parto ideal para cada tipo de mulher

Seja para mamães de primeira viagem ou até mesmo para aquelas mais experientes, não é de hoje que a chegada do bebê, a hora…

Seja para mamães de primeira viagem ou até mesmo para aquelas mais experientes, não é de hoje que a chegada do bebê, a hora do parto, desperta muitas dúvidas ou até mesmo medo nas mulheres. Apesar de ser um processo tão antigo quanto a vida, com o desenvolvimento da medicina, pode-se dizer que dar a luz já não é tão simples quanto antes. Muitas variáveis entram em jogo: A data ideal, o melhor procedimento, o ambiente mais adequado. Saiba mais sobre como escolher o parto ideal para cada tipo de mulher.

escolher o parto ideal envolve muitas variáveis que deixam as mamães confusas(Foto: divulgação)

Não existe uma regra clara. Especialistas afirmam que o melhor parto é aquele que melhor se adéqua as condições da mãe e da criança. Para conhecer essas condições e escolher o tipo de parto o mais adequado é o acompanhamento pré-natal, que fornecerá os dados sobre a saúde do bebê e seu desenvolvimento, tamanho e peso. Existem vantagens e desvantagens para cada tipo de parto e cada tipo de mulher.

Os dados obtidos sobre a futura mamãe também são relevantes, já que é através destes que o médico pode definir o procedimento mais indicado dependendo das condições clínicas da paciente. Basicamente, existem duas vias para o nascimento de uma criança. A sem intervenção cirúrgica, o parto normal, e a opção invasiva, o procedimento conhecido como cesariana.

Parto Cesariana

História da cesariana

A cesariana, apesar de ser um procedimento antigo, vem sendo usado com mais frequência atualmente, devido ao desenvolvimento médico. Antigamente, seria praticamente impossível uma mulher sobreviver a um corte de tamanhas proporções, com muito sangramento, e sem o conhecimento suficiente para uma cicatrização adequada. Seu nome seria uma referência ao modo de nascimento do imperador romano Júlio César e era apenas indicada quando mãe ou filho corriam risco de vida, ou para salvar a vida do bebê quando a mãe já se encontrava morta.

Indicações

Realizada em ambiente hospitalar, com o suporte médico adequado, a cirurgia tornou-se um procedimento relativamente seguro, tanto indicação quando técnicas evoluíram bastante. A cirurgia envolve a secção dos tecidos até a parede do útero. Com a retirada do bebê, a cavidade uterina é limpa e as suturas são feitas em camadas até atingir novamente a pele. Teoricamente, a opção cirúrgica deveria ser considerada quando o bebe não possui condições favoráveis ao nascimento: prolapso do cordão umbilical, descolamento prematuro de placenta, ou sofrimento fetal dentre outros exemplos.

Pontos positivos

é uma opção mais segura para mulheres com uma gravidez complicada, ou uma condição com melhor risco benefício quando o parto normal está conta-indicado.

Leia Também:  Vestidos curtos para a balada, modelos, tendências

Pontos negativos

Por ser uma cirurgia, a cesárea apresenta um risco inerente à sua realização, mesmo com a simplicidade do procedimento. Infecções, alterações de cicatrização são os problemas mais comuns.

a cesárea, um procedimento cirúrgico que tem indicações específicas (Foto: divulgação)

Parto normal

Também chamado de parto vaginal, esta opção possui várias modalidades, sendo o ponto de convergência a expulção do bebê pela vagina materna. Por ser a opção não invasiva, acaba sendo mais recomendado pelos especialistas quando não existem contra-indicações.

Modalidades

  • Natural: Não é realizada nenhuma intervenção medicamentosa ou anestésica. Fazem parte deste processo exercícios com a bola, massagens com água quente e caminhadas. O acompanhamento médico é essencial na identificação de qualquer situação emergencial que interrompa o processo
  • Na água: A mãe dá a luz em uma banheira previamente esterilizada, repleta de água aquecida. Acredita-se este ser um procedimento menos cansativo para a mãe, devido ao relaxamento proporcionado pela água, o bebê, já acostumado a um ambiente aquoso e ainda respira pelo cordão umbilical nos primeiros momentos de vida, sendo assim, qualquer risco seria bem pequeno.
  • De cócoras: A mulher permanece agachada, sendo favorecida pela gravidade. A posição aumenta o canal do parto e facilita o processo de dilatação uterina. Uma das posições mais antigas para se dar à luz.
  • Método Leboyer: Desenvolvido pelo francês de mesmo nome, nesta alternativa o foco é transformar o momento do parto em uma experiência menos traumatizante para o bebê. Seus diferenciais contam com uma iluminação mais branda, ambiente menos ruidoso, contato materno e amamentação precoce.

Vantagens e desvantagens

O parto normal conta com uma melhor recuperação, muitas vezes mais rápida que a cesariana e também menos dolorosa. Para o bebê, o fato de passar pelo espaço estreitado do canal de parto facilita a expulsão do líquido amniótico, contribuindo para uma respiração facilitada.

Leia Também:  Conheça os diferentes tipos de partos

A dor no períneo, possibilidade de laceração, e consequente possibilidade de episiotomia (corte realizado na região) geralmente preocupam as mulheres. Mas quando o procedimento é realizado de modo adequado, as consequências são mínimas.

no parto normal, a condição psicológica possui grande influência no processo (foto: divulgação)

Com tantas opções, a escolha fica complicada. O ideal é uma discussão aberta com o profissional responsável pelo procedimento. Independentemente de ser cirúrgico ou normal, é um momento único na vida de uma mulher, e esta merece informação e participação ativa no tipo de parto

Top