O câncer de boca em fumantes que bebem: saiba mais

O câncer de boca e todos os outros tipos de câncer podem aparecer em qualquer pessoa. No entanto, alguns fatores contribuem para que a…

O câncer de boca e todos os outros tipos de câncer podem aparecer em qualquer pessoa. No entanto, alguns fatores contribuem para que a doença surja, além da predisposição genética a ela. No caso dos fumantes, sabe-se que as substâncias presentes no cigarro aumentam as chances de que eles sofram com o câncer de boca (além de outros). Porém, os tabagistas que consomem álcool com frequência aumentam ainda mais estas chances. Saiba mais sobre o câncer de boca em fumantes que bebem.

Incidência do câncer de boca é muito maior, nos fumantes (Foto: Divulgação)

O cigarro e o câncer de boca

O cigarro não contém apenas nicotina e alcatrão, em sua composição e isso não é novidade para ninguém, especialmente para os seus adeptos. Existem mais de 4700 substâncias químicas no cigarro; destas, aproximadamente 43 são cancerígenas.

Em contato constante com os tecidos da boca (tanto em sua parte interna, quanto externa), as substâncias prejudiciais do cigarro acabam por causar lesões nas células humanas. As células, por sua vez, possuem mecanismos próprios de defesa, contra tudo que possa alterá-las. Porém, com a agressão constante das substâncias químicas, estes mecanismos podem, em algum momento, falhar.

Quando ocorre uma falha na proteção das células, contra componentes químicos nocivos, estas lesões podem não ser reparadas e, então, surgem mutações celulares, que podem indicar o início de um câncer.

O álcool potencializa a ação nociva das substâncias do cigarro (Foto: Divulgação)

As lesões na boca devem ser muito bem observadas, principalmente se a pessoa for um usuário de tabaco. Manchas escuras, brancas ou avermelhadas, ferimentos que não cicatrizam, dores ou inchaço nas gengivas, em qualquer parte da boca ou na garganta, qualquer sinal deve ser investigado, imediatamente.

Leia Também:  Passeios em Paraty

O câncer oral, em geral, é diagnosticado tardiamente. Isso porque a maioria das pessoas simplesmente não nota nada errado no interior de suas bocas, seja porque não costumam examiná-la, seja porque não sabem identificar o que é normal ou anormal, seja porque não sentem nenhum desconforto.

O tabaco e o álcool

Cigarro e álcool, juntos, aumentam em 38 vezes as chances de se ter câncer de boca (Foto: Divulgação)

Um fumante tem, em média, 10 vezes mais chances de desenvolver o câncer de boca ou de garganta, se comparado a um não-fumante. Isso acontece porque, como se sabe, existem muitas substâncias cancerígenas no cigarro. Quando estas substâncias entram em contato com as mucosas da boca, têm a sua ação prejudicial aumentada, devido à temperatura da fumaça – que é quente. Portanto, existe, também, a agressão térmica à boca, associada aos agentes nocivos.

O caso fica ainda mais perigoso, nos fumantes que consomem álcool, principalmente junto às tragadas. O álcool contribui com a dissolução das substâncias químicas, na boca. Diluídas, elas ficam ainda mais concentradas, favorecendo a irritação e o aparecimento de lesões na boca. Juntos, cigarro e álcool aumentam as chances de ocorrência do câncer de boca em até 38 vezes, comparando-se com alguém que não fuma. Portanto, o ideal é não fumar e, muito menos, fumar e consumir álcool ao mesmo tempo.

Top