sexta-feira, 3 de fevereiro de 2023 - 03/02/2023 10:18:00
MundodasTribos

A partir desta sexta-feira (1 de outubro) o Banco Central (BC) trará novidades quanto às regras do PIX. Com o isolamento social e a pandemia do Covid-19 chegando a um fim houve um maior movimento em estabelecimentos como restaurantes e bares e, por consequência, também um maior número de golpes também foi registrado.

Visando proteger os dados dos usuários de PIX, o presidente do BC — Roberto Campos Neto — decidiu aprovar, em agosto, uma relação para limitar o número de depósitos realizados e o compartilhamento de dados passados às instituições de segurança pública. Na época, o presidente Campos Neto afirmou que as medidas podem evitar contas laranjas, já que para obter os recursos é necessário ter conta no banco.

O que este artigo aborda:

O que influenciou para a aprovação das novas regras do PIX?

Durante o crescimento das chamadas “quadrilhas do PIX”, é muito comum a prática de ataques de engenharia social e segurança pública. Nestes ataques, por exemplo, o golpista pode se passar por alguma empresa e envia um boleto à vítima e o dinheiro destinado à dita empresa é desviado para a conta do golpista.

Para a solucionar crimes desta natureza, o Banco Central define que as instituições financeiras terão a obrigação de compartilhar informações no caso de transições suspeitas para as autoridades de segurança pública. Assim, será muito provável de identificar atividades criminosas e seus envolvidos.

Novas regras do PIX passam a valer hoje

Fonte/Reprodução: Original

Bancos, instituições de pagamento, instituições financeiras e qualquer tipo de negócio dessa natureza passam a sinalizar ao Diretório de Identificadores de Contas Transacionais (DICT) em caso de suspeita de fraude. A base de dados colhidos ficará disponível para consulta, visando evitar crimes que envolvam uma mesma conta suspeita.

Quais são as principais mudanças nas regras do PIX?

Haverá um limite de R$ 1 mil que valerá especificamente microempreendedores individuais (MEIs) e pessoas físicas. Também vale para Transferência Eletrônica Disponível (TED), cartões de débito e transferências entre contas de um mesmo banco. Quem necessitar de um limite maior pode alterá-lo por conta própria ou cadastrar, de maneira prévia, contas que utilizem limite acima do estabelecido pelas novas regras.

O prazo para que os bancos aumentem o limite do PIX também muda. Antes, a solicitação de um limite maior variava entre uma hora como mínimo e o dia útil seguinte como prazo máximo. Agora, o tempo mínimo passa a ser 24h e o máximo de 48h para efetivação do pedido realizado.

Outra novidade importante é que os limites estabelecidos podem variar conforme o período do dia (diurno e noturno). No caso de transações atípicas realizadas das 8h às 20h ou suspeita de fraude as instituições financeiras ou de pagamentos podem reter a transferência por até 30min e até mesmo por 1h caso passe desse horário e proceder com mais medidas de segurança e analisar se a transferência em questão será aprovada ou não. Em situações normais, uma transferência PIX não leva mais do que 40 segundos.

As novas regras não afetarão o comércio negativamente?

Não! Segundo Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, o limite de R$ 1 mil é válido de pessoa física para pessoa física e especialmente no período noturno. Ou seja, o limite estabelecido não é válido para pessoas jurídicas e empresas, não há possibilidade de “esfriar” o comércio e afetar negativamente os negócios.

Mais novidades para o PIX em novembro

A partir do dia 16 de novembro deste ano haverão ainda mais mudanças. O “bloqueio cautelar” é uma delas, em que a conta poderá ser suspensa por até 72h em caso de suspeita de fraude. O cliente será notificado imediatamente pelo banco ou instituição financeira do bloqueio de sua conta.

Uma nota do Banco Central afirma que a instituição terá uma análise mais profunda nesses casos, aumentando a probabilidade da recuperação de dados e recursos dos clientes que por ventura tenham sido vítimas de golpes ou fraudes que envolvam a invasão da conta.

Ainda segundo o BC, as novas medidas para o uso do PIX irá estimular os usuários a se responsabilizarem pelas fraudes causadas por falhas em seus devidos mecanismos de segurança. Tal responsabilidade estimula os usuários a se tornarem mais atentos na hora de estabelecer seus mecanismos de segurança e os aprimorem.

As novas medidas, vindas em novembro, estabelecem novos critérios para determinar fraudes como: dia e horário da transação; quantidade de notificações enviadas ao usuário que irá receber o pagamento; tempo decorrido desde a abertura da conta pelo usuário recebedor; e o perfil do pagador.

O BC afirma, em outra nota, que as medidas anunciadas são maneiras de reduzir situações de risco, aumentam a probabilidade de recuperar a conta em caso de fraude e até mesmo dos recursos presentes na conta em caso de golpe. Empresas como o Nubank apoia as medidas, e acredita que o PIX sempre foi uma maneira segura de transferência, mas como qualquer tecnologia é necessário constante atualização e renovação.

Este artigo foi útil?

Agradeçemos o seu feedback.

1

Pode ser do seu interesse

Valor aduaneiro: o que é? Confira!

Valor aduaneiro: o que é? Confira!

Dicas para comprar bens penhorados

Dicas para comprar bens penhorados

Empréstimo Fácil Banco do Povo Recife

Empréstimo Fácil Banco do Povo Recife

Empréstimos Banco do Nordeste

Empréstimos Banco do Nordeste

Leilão de Eletrodomésticos, Leilão Online

Leilão de Eletrodomésticos, Leilão Online

Casas Populares do Governo: Casas do Projeto Fotos

Casas Populares do Governo: Casas do Projeto Fotos