Menu
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > Ritalina sem receita: perigos, efeitos colaterais

A ritalina é um medicamento indicado para alguns problemas psiquiátricos. Conheça os perigos e os efeitos colaterais do uso indevido desse remédio.

A Ritalina é um medicamento indicado para quem possui Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. Assim, antes de indicá-lo, o médico deverá realizar uma avaliação adequada do paciente. No entanto, algumas pessoas conseguem ter acesso a esse medicamento sem a prescrição médica, o que pode trazer graves consequências à saúde. Conheça os perigos e os efeitos colaterais do uso da ritalina sem receita médica.

Um dos efeitos colaterais da ritalina é a dependência do medicamento. (Foto: Divulgação)

Um dos efeitos colaterais da ritalina é a dependência do medicamento. (Foto: Divulgação)

Saiba mais sobre a Ritalina

Ritalina – Conhecendo mais sobre o medicamento

A ritalina, ou como conhecida no meio comercial, o metilfenidato, é um estimulante comumente utilizado para tratar indivíduos que sofrem com o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Esse medicamento também é utilizado para tratar alguns transtornos do sono, como por exemplo, a narcolepsia. Esta é uma condição neurológica na qual o indivíduo acometido sofre episódios repentinos de sono.

Desde que foi conhecido seu efeito positivo para essas pessoas, a Ritalina foi procurada por pessoas para que essas pudessem se concentrar em suas atividades e então a Ritalina foi vendida em grande quantidade sem receita médica.

Após esse surto o remédio entrou para o rol da ilegalidade e as autoridades começaram a vetar a compra do medicamento. Com esse veto a Ritalina passou a ser vendida de forma ilegal por médicos e farmacêuticos.

Se tomada errada, a pessoa pode ter dependência do remédio (Foto: Divulgação)

Se tomada errada, a pessoa pode ter dependência do remédio (Foto: Divulgação)

Saiba mais sobre as indicações da Ritalina

Devido a ritalina ser um estimulante do sistema nervoso central, trazendo como resultado a redução do comportamento impulsivo e colaborando na melhora da concentração, ela é potencialmente indicada no tratamento do TDAH. Além disso, ela também é utilizada no tratamento da narcolepsia, exclusivamente pelo seu potencial estimulador.

Conheça os efeitos colaterais da ritalina

O Transtorno do Défcit de Atenção e Hiperatividade é tratado com Ritalina.(Foto: Divulgação)

O Transtorno do Défcit de Atenção e Hiperatividade é tratado com Ritalina.(Foto: Divulgação)

Quando esse medicamento é indicado de maneira correta, a taxa de pessoas que sofrem com os efeitos colaterais é praticamente nula. No entanto, quando ele é erroneamente utilizado, em especial sem orientação médica, a ritalina pode apresentar vários efeitos colaterais:

  • Psicose;
  • Dificuldades para dormir;
  • Alterações e oscilações do humor;
  • Nervosismo;
  • Dor no estômago;
  • Diarreia
  • Dor de cabeça;
  • Diminuição do desejo sexual;
  • Sangramento da gengiva;
  • Sangramento da pele;
  • Falta de apetite;
  • Perda de peso;
  • Boca seca;
  • Dependência química.

Notícia alarmante

Infelizmente, no Brasil, um grande número de estudantes vem utilizando esse medicamento sem orientação médica, para aumentar a concentração e diminuir o cansaço, de modo a elevar o desempenho escolar. No entanto, muitas dessas pessoas já apresentaram graves consequências a saúde, além de se tornarem dependentes do medicamento. Este último interferindo de maneira significativa nos relacionamentos sociais dos indivíduos.

Antes de utilizar qualquer medicamento, busque a orientação de um profissional da saúde.(Foto: Divulgação)

Antes de utilizar qualquer medicamento, busque a orientação de um profissional da saúde.(Foto: Divulgação)

A ritalina é um medicamento indicado para pessoas que sofrem com problemas psiquiátricos, sendo eles o TDAH e a narcolepsia. O uso da ritalina sem receita pode trazer graves prejuízos à saúde do indivíduo, assim como na sua vida social.

Conheça sobre as causas e o tratamento da narcolepsia

Veja o vídeo do Professor Paulo Jubilut sobre as chamadas “Drogas da Inteligências”:

RECEBA OS ARTIGOS VIA EMAIL