‘Síndrome do coração partido’ protege corpo contra prejuízos graves

De acordo com a pesquisa, essa doença é um modo de proteger o corpo contra prejuízos mais graves.

Uma nova análise indica que a ‘síndrome do coração partido’, uma doença que possui causas emocionais e indícios semelhantes aos do infarto do miocárdio, embora acarrete problemas cardíacos temporários, na realidade é um modo de proteger o coração contra descargas muito fortes de adrenalina.

O levantamento foi divulgado na revista Circulation que foi realizado pela Universidade Imperial de Londres, na Grã-Bretanha.

Confira: Meditação pode atenuar risco de doenças cardiovasculares em jovens

Essa síndrome, chamada cardiomiopatia de Takotsubo, pode surgir quando um indivíduo tem um grande choque emocional, seja ele positivo ou não, como o final de um relacionamento, a perda de um familiar ou o fato de ganhar na loteria, por exemplo.

Essa pessoa, então, sofre uma sobrecarga intensa de hormônios do stress, com a adrenalina, e pode sentir dores fortes no peito, falta de ar e até desmaio. Na maior parte dos casos, o paciente consegue se recuperar e não volta a apresentar a condição.

Doenças que protege outras

Na maior parte dos casos, o paciente consegue se recuperar e não volta a apresentar a condição.

De acordo com a pesquisa, essa doença é um modo de proteger o corpo contra prejuízos mais graves. Os pesquisadores indicam que pessoas com esse problema possuem uma resposta diferente à adrenalina e, em vez de apresentarem um estímulo excessivo da função cardíaca quando há uma carga grande do hormônio, eles diminuem o bombeamento do coração em situações de stress.

Isso, conforme os autores, acarreta uma insuficiência cardíaca passageira, mas que é recuperada em poucos dias ou semanas.

Veja também: Quatro xícaras de café por dia ajudam a evitar insuficiência cardíaca

Essas conclusões adquiridas após os pesquisadores realizarem exames em camundongos que foram induzidos a apresentar características do coração, semelhantes às de pessoas com essa doença. Os animais então, receberam doses letais de adrenalina e de outras substâncias que superestimularam o coração.

Os pesquisadores notaram que os camundongos se mostraram protegidos contra quantidades tóxicas do hormônio. “Há novas pistas sobre como o coração pode se proteger do stress, e isso abre portas para novas pesquisas sobre a ‘síndrome do coração partido'”, relata o artigo.

Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Reply