sexta-feira, 9 de dezembro de 2022 - 09/12/2022 02:53:02
MundodasTribos

A diabetes atinge 6,3% dos brasileiros adultos e a hipertensão arterial 23,3% do público dessa mesma faixa etária, segundo o levantamento realizado pela Vigilância de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), em 2010.

O programa ‘Saúde Não Tem Preço’, que faz parte do projeto do Governo Federal denominado ‘Farmácia Popular’, vinculado ao Ministério da Saúde, oferece remédios de graça para a parcela da população que necessita tratar essas doenças. Atualmente, estão disponíveis seis tipos para hipertensão e cinco tipos de medicamentos para diabetes.

 

Para ter acesso aos medicamentos gratuitos é preciso ir até uma das farmácias da rede ‘Aqui Tem Farmácia Popular’ (Foto: Divulgação)

 

A asma foi incluída no programa em junho de 2012, com o intuito de atender à demanda crescente da população que sofre com esse mal, por meio da distribuição gratuita de três tipos de medicamentos (dirpoprionato de beclometasona, brometo de ipratrópio e sulfato de salbutamol). Cerca de 2,5 mil cidadãos morrem anualmente por causa da doença e, de acordo com dados divulgados pela Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (Asbai), de 10% a 25% dos brasileiros têm asma, sendo que o País é o oitavo em prevalência da doença. A asma é hereditária e seus principais sintomas são: tosse, falta de ar e chiado no peito.

 

O que este artigo aborda:

‘Saúde Não Tem Preço’: como ter acesso aos remédios de graça

Para ter acesso aos medicamentos de graça é necessário ir até uma das farmácias da rede ‘Aqui Tem Farmácia Popular’ com a receita médica válida, CPF próprio e documento com foto. Atualmente, são mais de 20 mil farmácias em mais de 3.200 cidades brasileiras que estão credenciadas ao programa. Isso corresponde a um crescimento de 38,7% após o primeiro ano de funcionamento do ‘Saúde Não Tem Preço’, que foi lançado em 2011. No total, são distribuídos 14 remédios para hipertensão, diabetes e asma, que passou a ter a medicação inclusa no programa no último dia 4 de junho.

 

Economia de recursos do Sistema Único de Saúde

Além de melhorar a qualidade de vida dos beneficiados, o ‘Saúde Não Tem Preço’ impacta positivamente no Sistema Único de Saúde (SUS), uma vez que, desde seu lançamento, o número de internações por causa de diabetes e de hipertensão diminuiu, ocasionando uma economia significativa de recursos. Em 2011, foram menos 8,4 mil internações culminadas pela hipertensão e 2,7 mil a menos ocasionadas pela diabetes.

Com a inclusão dos remédios de asma no programa a tendência é que o SUS economize ainda mais, já que, de acordo com o Ministério da Saúde, somente em 2011, foram gastos mais de R$ 82 milhões com internações no Sistema Único de Saúde em decorrência da asma, que atingiu principalmente crianças de até 6 anos.

O ‘Saúde Não Tem Preço’ já beneficiou 10 milhões de pessoas em apenas um ano de existência, sendo que desde 4 de junho deste ano, quando os medicamentos de asma passaram a ser distribuídos gratuitamente,  até o dia 18 do mesmo mês, 31.176 pessoas já haviam retirado os antiasmáticos sem custo nas farmácias populares.

 

 

Para obter mais dados sobre o programa acesse a página do Facebook do ‘Saúde Não Tem Preço’, ou confira mais informações por meio do site Portal da Saúde ou do Blog da Saúde.

 

Este artigo foi útil?

Agradeçemos o seu feedback.

1

Pode ser do seu interesse

Novas Regras para o Financiamento Estudantil (Fies)

Novas Regras para o Financiamento Estudantil (Fies)

Cortador de Grama Trapp Preço

Cortador de Grama Trapp Preço

Cientista que Inventou o Biodiesel Morre

Cientista que Inventou o Biodiesel Morre

Cursinhos gratuitos pré vestibular 2012

Cursinhos gratuitos pré vestibular 2012

Dicas para ser Admitido no Mestrado da FGV

Dicas para ser Admitido no Mestrado da FGV

Mochila de Carrinho Targus

Mochila de Carrinho Targus