Os países com as empresas mais corruptas

O Brasil continua crescendo economicamente e apresenta uma estabilidade nunca antes conquistada. No entanto, há um problema que ainda persiste: estamos inseridos no contexto…

O Brasil continua crescendo economicamente e apresenta uma estabilidade nunca antes conquistada. No entanto, há um problema que ainda persiste: estamos inseridos no contexto dos principais países onde existem empresas corruptas. Elas pagam propina ou burlam as leis do país para fechar contratos no exterior. Diante do fato, temos outra notícia, nos últimos anos, aqui no Brasil, este quesito tem melhorado um pouco. Este mês, por exemplo, surgiu uma lista na qual o país passou do 17º para o 14º no ranking que avalia a credibilidade das empresas quanto a seus trabalhos e contratos no exterior.

A análise acima é feita através do Bribe Payers Index que já está em sua sexta edição. O seu objetivo é analisar o histórico das empresas e detectar se elas oferecerem algum tipo de suborno quando passam a fazer suas atuações fora do país de origem. O ranking é feito pela ONG Transparência Internacional (IT). Ela é responsável por divulgar os resultados buscando soluções práticas para evitar este tipo de problema tanto em relação às empresas que pretendem estender os seus negócios como para o próprio país de origem.

Mas, toda essa análise também surte um efeito para os países que passam a receber os investimentos de empresas que tentam burlar as normas internacionais. Não resta dúvida que é uma forma delas se preparem melhor para receber fiscalizações. Quanto à lista apresentada, ela aponta que duas das maiores nações do mundo, Rússia e China, aparecem como os países mais corruptos do mundo em relação ao número de empresas que agem de forma ilegal; A Índia, país considerado pobre, mas que consta entre os principais emergentes do mundo, aparece em 9º lugar. Já as nações da Europa, Holanda e Suíça, surgem como as mais honestas do mundo.

Leia Também:  Três parques tecnológicos devem ser construídos no Rio até 2014

Levando em consideração os fatores analisados, a nota vai de zero a dez. Salientamos que a nota do Brasil foi 7,7, o que mostrou que muitas empresas brasileiras atuantes fora do país apresentaram alguma atividade corrupta dentro do período da avaliação. Enfatizamos que os resultados se restringiram aos países que têm suas firmas com atuação internacional. Conforme divulgação, a propina é utilizada para, por exemplo, ganhar concorrência pública, acelerar processos dos governos, influenciar políticas e evitar a aplicação de leis.

Lendo esta matéria, agora fica claro entender o porquê do crescimento acelerado da maioria das empresas, não apenas as brasileiras: Muitas “conquistam” um desenvolvimento rápido através do uso de posturas ilícitas. Desta forma, a realidade financeira da empresa aumenta consideravelmente em um curto espaço de tempo por obter lucros através de negociações ilegais.

Top