Homem se forma em medicina com livros achados no lixo

Homem se forma em medicina com livros achados no lixo, provando que a falta de recursos não é desculpa para não tentar melhorar de…

Por Élida Santos em 16/07/2014

Homem se forma em medicina com livros achados no lixo, provando que a falta de recursos não é desculpa para não tentar melhorar de vida por meio da educação. Cícero Batista, 33 anos, é a prova carnal disso tudo. Ele, que nasceu na cidade de Brasília, em uma família com outros nove irmãos, conseguiu um diploma em um dos cursos mais concorridos do Brasil. O de Cícero morreu quando ele tinha somente 3 anos de idade e a mãe dele virou alcoólatra, e para coroar os problemas, ele ainda tinha muita dificuldade financeira.

Leia mais informações sobre: Decoração Com Material Reciclável: Como Fazer

 

Homem se forma em medicina com livros achados no lixo (Foto: Divulgação)

Homem se forma em medicina com livros achados no lixo

O homem que se formou em medicina com livros achados no lixo não abaixou a cabeça diante dos problemas da vida. Cícero não desistiu de lutar, seguiu em frente e provou que tudo é possível para quem acredita em si e no potencial que tem dentro de cada pessoa. Ao contrario dele, um de seus irmão se rendeu ao dinheiro fácil do mundo das drogas e começou a traficar.

Alimento vindo do lixo

Diante da dificuldade ele procurou comida no lixo, mas foi no que foi descartado por outras pessoas que ele encontrou a sua salvação. Ele conseguiu se formar em medicina com livros achados no livro.  Tudo começou ainda no ensino médio, quando ele decidiu fazer um curso técnico de enfermagem.

Homem se forma em medicina com livros achados no lixo e depois de combater o preconceito (Foto: Divulgação)

Confira mais sobre: Curso De Medicina Alternativa

Com o término do curso técnico ele conquistou uma vaga no concurso público para enfermeiro no Hospital Regional de Taquaritinga. Ele cuidava muito de seus irmãos com problemas de saúde, fruto da péssima alimentação que tinham. Cícero decidiu que queria mais, que queria ser médico e se dedicou e passou em um vestibular de medicina. Ele passou a trabalhar aos finais de semana, cerca de 40 horas, pois a faculdade de medicina é integral.

O seu salário era usado só para pagar a sua faculdade de medicina e ele contava com a ajuda de amigos para se alimentar. Além de todas as dificuldades financeiras ele enfrentava o preconceito racial, por ser negro. Depois de muita luta, o homem que se formou em medicina com livros achados no lixo conquistou o seu espaço e provou que é possível vencer na vida. Hoje ele quer se especializar em psiquiatria ou pediatria.

Top