Fragrância: cheiro de perfumes varia de acordo com o tipo de pele

Os perfumes reagem de forma diferenciada em cada tipo de pele (pele seca, oleosa ou mista) entenda por que.

Por Redacao em 03/10/2011

Você sente o cheirinho de um perfume em alguém ou em algum catálogo de cosméticos e mais do que depressa compra igual, mas na hora de usar percebe que o cheiro não é o ‘mesmo’ e que nem dura tanto quanto devia. Quais são as causas? Confira!

Antes de qualquer coisa, atente a uma dica: não compre perfume algum antes de experimentá-lo. Mas por quê?

Porque cada fragrância reage de maneira diferente conforme o tipo de pele de cada pessoa. Fatores como alimentação, hábitos de higiene, suor e até o uso de medicamentos podem interferir consideravelmente nas notas do perfume.

Tipos de perfume

É fato que fatores como durabilidade, por exemplo, não dependem apenas do tipo de pele. Os perfumistas classificam as fragrânciasem famílias. Sãoelas cítrica, floral, frutada, amadeirada e adocicada.

As amadeiradas e adocicadas duram mais enquanto as florais, frutais e cítricas duram um pouco menos por conta da concentração da fragrância base.

Depois de saber quais duram mais é hora de atentar ao seu tipo de pele.

Conforme o tipo de pele

O perfume é sentido no momento em que a pele ‘respira’, por assim dizer. Essa ‘respiração’ varia de intensidade conforme o tipo de pele e sua hidratação.

Pele seca: necessita ser hidratada para receber a fragrância, de preferência com cremes sem cheiro ou com aquele que combine com as nota do perfume. Caso contrário, a fixação e o cheiro serão comprometidos.

Pele normal: Neste caso, a fixação e o cheiro são exatamente aqueles propostos pelo fabricante.

Pele oleosa: Pessoas de pele oleosa ganham no quesito durabilidade que varia de oito a doze horas. Isso porque a fragrância, que é ativada pelos canais lipoprotéicos, vai reagir de forma intensa.

Pele mista: A durabilidade é de quatro a seis horas mesmo dos perfumes que agem por mais tempo.

Outros fatores

O consumo de muita gordura, a produção de suor, a acidez (pH) da pele e o clima devem ser levados em conta.

Nossa pele elimina pelo suor aquilo que ingerimos, portanto, cuidado com as gorduras. O suor, em especial quando se toma determinados medicamentos, inibe o cheiro do perfume e, o pH que se altera nos dias de menstruação e nos dias mais quentes, vai fazer com que a pele reaja de forma diferenciada e, consequentemente, elimine ou dê diferença na fragrância.

Para os dias quentes que estão chegando escolha os perfumes da família cítrica que refrescam e são mais ‘leves’. No verão, o calor faz com que a fragrância evapore mais rápido, então leve sempre na bolsa para umas borrifadas extras.

Top