Estrabismo: o que é, como lidar, dicas

O termo “estrabismo” pode parecer estranho para muita gente, mas é um problema bastante conhecido e todo mundo já ouviu falar.  Ele ocorre quando…

Por Editorial MDT em 08/02/2012

Estrabismo, problema comum onde ocorre perda do paralelismo ocular

O termo “estrabismo” pode parecer estranho para muita gente, mas é um problema bastante conhecido e todo mundo já ouviu falar.  Ele ocorre quando há perda do paralelismo entre os olhos (que deveriam ser simétricos) e as pessoas portadoras desse distúrbio geralmente são chamadas de “vesgas”.

A forma mais comum de estrabismo é a esotropia, também chamado de estrabismo convergente, onde um dos olhos é desviado para dentro. Outras formas, menos comuns, são a exotropia ou estrabismo divergente, onde o desvio ocorre para fora, e o estrabismo vertical, onde um dos olhos fica mais alto ou mais baixo que o outro.

Quadro clínico

Existem três maneiras que o estrabismo pode se manifestar:

  • Constante: Um dos olhos fica constantemente desviado e essa alteração pode ser observada permanentemente. Pode ser monocular, quando é sempre o mesmo olho que desvia, ou alternante, quando o olho afetado varia, desviando ora um ora outro.
  • Intermitente: Quando o quadro clínico não pode ser observado constantemente, porque ora os olhos estão alinhados ora com desvio. É mais comum no estrabismo divergente.
  • Latente: Quando só pode ser percebido por meio de testes, através do exame de motilidades ocular.

O exame oftalmológico na infância e em idade pré-escolar é importante para detecção de problemas potenciais

A causa do problema

A causas desse problema ainda não estão totalmente esclarecidas, mas é reconhecido seu caráter genético, onde o distúrbio pode ser passado de geração em geração, podendo pular algumas. Existem também o estrabismo secundário, que ocorre devido à outras doenças como diabetes, hipertireoidismo e afecções neurológicas.

Detecção e diagnóstico

É recomendado que as crianças sejam examinadas durante a infância e a idade pré-escolar, para que não apenas o estrabismo, mas qualquer outro problema potencial seja detectado.

Alguns fatores tornam difícil a percepção de desvios oculares nas crianças. A dica é ficar atento porque o verdadeiro estrabismo não melhora conforme a criança cresce, diferente do que acontece com o falso estrabismo, onde,  por exemplo,  o excesso de pele na pálpebra superior da criança, pode passar a impressão de um olhar estrábico, que tende a melhorar com o avançar da idade.

Tratamento

Geralmente a primeira escolha para resolver o estrabismo é a utilização de óculos. Quando o problema não é resolvido totalmente ou quando não responde à esse tratamento, opta em fazer cirurgia. O estrabismo latente e o intermediário também podem ser resolvidos através de exercícios chamados de “ortópticos”.

O uso de óculos é uma das opções de tratamento para o estrabismo

Apesar de ser bastante comum e geralmente não trazer graves complicações, vale lembrar que nos casos mais sérios pode ocorrer perda da visão do olho desviado (porque o cérebro passa a ignorar os sinais enviados por esse olho, evitando o efeito de visão dupla, mas que, em longo prazo, é maléfica) ou até mesmo ser uma manifestação de outra doença, mais grave, sendo fundamental que o paciente seja examinado por um médico assim que houver suspeita do desvio ocular.

Top