Alta no preço de imóveis cai quase pela metade

O preço do m² dos imóveis, que registrou aumentos seguidos, desacelerou a 1,2% em abril, após alta de 1,4% em março. Os números abrangem…

O preço do imóvel parou de aumentar (Foto: Divulgação)

O preço do m² dos imóveis, que registrou aumentos seguidos, desacelerou a 1,2% em abril, após alta de 1,4% em março. Os números abrangem sete regiões brasileiras. O levantamento foi realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) nesta sexta-feira, 4 de maio. No acumulado do ano, a alta é de 5,3%, valor 42% menor ante o mesmo período de 2011.

No mês passado, a maior alta foi registrada em Belo Horizonte, com 2,5%. O Rio de Janeiro apareceu no levantamento com alta de 1,4%, mesmo percentual de março. Já em São Paulo a alta foi de 1,2% no mês passado, menor variação para o mês de abril de toda a série histórica. De acordo com a Fipe, a tendência de desaceleração observada nos últimos meses se acentuou em abril. No último ano, o índice composto perdeu 1,7 ponto percentual, acumulando alta de 21,8% no País.

O valor do imóvel registrou baixa de quase 50% (Foto: Divulgação)

Na média das sete regiões pesquisadas, o preço do m² foi de R$ 6.529 no mês passado. O valor mais alto foi registrado no Distrito Federal, com custo de R$ 8.216; já o mais barato foi apontado na cidade de Salvador, com R$ 3.665.

Na capital paulista, o preço médio no mês passado foi de R$ 6.372, valor menor que os R$ 7.907 registrados no Rio de Janeiro, por exemplo. A região da cidade de São Paulo que possui o valor do m² mais alto é a Ibirapuera-Vila Nova Conceição, com R$ 10.164, seguida pelo Jardim Paulistano (R$ 8.850) e Chácara Itaim (R$ 8.409). Já a região com o m² mais barato é São Miguel Paulista, com R$ 2.909, seguida por Vila Carmosina (R$ 2.972) e Raposo Tavares (R$ 3.004).

Já na cidade maravilhosa, a região com o m² mais caro é o Leblon, com R$ 17.591, seguida por Ipanema (R$ 16.660) e Lagoa (R$ 13.996). E a região mais barata é a Anchieta, com R$ 1.334 por m². Pavuna (R$ 1.347), Senador Camara (R$ 1.420) e Madureira (R$ 2.003) completam a lista do Rio de Janeiro.

Top