Menu

Saúde

Atualizado em 14 de agosto de 2012, às 5:55 por Isabella Moretti
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > Fumar eleva risco de leucemia e linfoma para mulheres

O cigarro não causa apenas câncer de pulmão, mas também está relacionado a outras doenças cancerígenas, como linfoma e leucemia.

O consumo de cigarro aumenta os riscos de diversas enfermidades, principalmente de câncer. Quem tem o costume de fumar, envia para o corpo mais de 60 substâncias cancerígenas, que afetam o organismo em vários aspectos.

501172 Fumar eleva risco de leucemia e linfoma para mulheres 2 Fumar eleva risco de leucemia e linfoma para mulheresAté mesmo o fumo passivo aumenta as chances de desenvolver câncer. (Foto:Divulgação)

O tabagismo não causa apenas tumores malignos no pulmão, mas também eleva as chances de desenvolver câncer de esôfago, estômago, rins, bexiga, colo do útero, mama e leucemia mileoide aguda. O fumo passivo também compromete a saúde ao aumentar as chances de câncer, afinal, o indivíduo entra em contato com várias substâncias tóxicas e cancerígenas.

Veja também: Mais 80% dos fumantes acreditam que não sofrerão com câncer no pulmão

Tabagismo aumenta as chances de leucemia e linfoma

De acordo com um estudo desenvolvido pela Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, mulheres que fumam apresentam riscos elevados de sofrer com linfoma ou leucemia. Os resultados da pesquisa foram publicados no periódico British Journal of Cancer, na última quinta-feira (9).

Para comprovar que o cigarro aumenta as chances de doenças na população feminina, os pesquisadores acompanharam 1,3 milhão de mulheres adultas, durante 10 anos. Todas as voluntárias estavam inscritas Estudo Britânico sobre Câncer.

501172 Fumar eleva risco de leucemia e linfoma para mulheres 1 Fumar eleva risco de leucemia e linfoma para mulheresPesquisa britânica constatou que fumar aumenta as chances de leucemia. (Foto:Divulgação)

Após avaliar os dados, os autores do trabalho descobriram que 9.000 participantes desenvolveram leucemia, isto é, oito em cada mil mulheres fumantes foram acometidas pela doença maligna. Entre aquelas que não faziam uso do cigarro, a incidência foi menor, ou seja, seis em 1.000 mulheres.

A pesquisa britânica também considerou a ligação entre o linfoma de Hodgkin com o tabagismo. Uma das autoras, Valerie Beral, afirmou que o cigarro está associado a vários tipos de câncer, não só de pulmão, boca ou garganta. Sem falar que o hábito de fumar pode desencadear outras enfermidades, como as doenças cardiovasculares.

Cânceres relacionados ao cigarro

Outro estudo, também realizado na Grã-Bretanha, revelou que os ingleses estão cientes de que o cigarro pode causar câncer de pulmão, boca e garganta, mas eles desconhecem que o hábito de fumar também aumenta as chances de desenvolver tumores malignos no fígado, intestino, bexiga e pâncreas.

501172 Fumar eleva risco de leucemia e linfoma para mulheres Fumar eleva risco de leucemia e linfoma para mulheresRico em substâncias cancerígenas, cigarro não causa apenas câncer de pulmão, mas muitos outros. (Foto:Divulgação)

Segundo uma estimativa feita pelo Inca (Instituto Nacional do Câncer), 37% dos casos de câncer no Brasil em 2012 estarão relacionados ao cigarro. Embora o hábito de fumar aumente as chances de desenvolver vários tipos de câncer, os dados mostram que os cânceres de pulmão e colorretal são os mais fortemente associados ao tabagismo.

O Inca avaliou vários aspectos para chegar a uma conclusão em sua pesquisa. De acordo com o órgão, a incidência do câncer em virtude do cigarro é diferente de uma região para a outra e também varia de acordo com o sexo. Além do aumento no número de casos em todo o país, a mortalidade também é um fator preocupante. Segundo estimativas, o cigarro reduz em 6 anos a expectativa de vida de homens e 5 anos a de mulheres.

Saiba mais: As cidades brasileiras com mais fumantes

A categoria Saúde do portal Mundodastribos.com é um espaço informativo de divulgação e educação sobre os temas relacionados à saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento, sem antes consultar um profissional de saúde.