Menu

Saúde

Atualizado em 7 de abril de 2009, às 13:38
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > Febre Amarela – Sintomas e tratamento

mosquito Febre Amarela   Sintomas e tratamento

A Febre Amarela é uma doença infecciosa causada por um tipo de vírus que é chamado de flavivírus, cujo seu reservatório natural é os primatas não-humanos que habitam as florestas tropicais.

Existem dois tipos de febre amarela: a silvestre, transmitida pela picada do mosquito Haemagogus, e a urbana transmitida pela picada do Aedes Aegypti, o mesmo mosquito que transmite à dengue. Embora os vetores sejam diferentes, o vírus e a evolução da doença são totalmente iguais.

A doença não é transmitida de uma pessoa para outra. A transmissão do vírus ocorre quando um mosquito pica uma pessoa ou primata (macaco) infectados, normalmente isso acontece em regiões de florestas e cerrado, depois o mosquito pica uma pessoa saudável que não tenha tomado a vacina.

Sintomas da febre amarela

Os principais sintomas da febre amarela são: febre alta, mal estar, dor de cabeça, dor muscular muito forte, cansaço, calafrios, vômito e diarréia aparecem, em geral, de três a seis dias depois de a pessoa ser picada. Aproximadamente metades dos casos da doença evoluem bem. Os outros 15% podem apresentar, além dos sintomas citados, sintomas graves como icterícia, hemorragia, comprometimento dos rins, fígado, pulmão e problemas cardíacos que podem levar a morte. Uma vez, o paciente recuperado não apresenta seqüelas.

O tratamento da doença requer suporte hospitalar para evitar que a doença evolua com maior gravidade. No entanto, não existem medicamentos específicos para combater a doença, basicamente, o tratamento é feito com hidratação e uso de antitérmicos que não contenham ácido acetilsalicílico. Os casos mais graves podem exigir diálise e transfusão de sangue.

Conteúdo avaliado com média:
A categoria Saúde do portal Mundodastribos.com é um espaço informativo de divulgação e educação sobre os temas relacionados à saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento, sem antes consultar um profissional de saúde.