Menu

Saúde

Atualizado em 29 de agosto de 2012, às 5:06 por Isabella Moretti
Você está em: MundoDasTribos > Bem Estar > EUA aprovam novo remédio contra AIDS

O novo medicamento contra AIDS, que recebeu o nome de Stribild, age sozinho no combate ao vírus HIV, pois concentra em sua fórmula substâncias de quatro outros medicamentos.

A Administração de Drogas e Alimentos (FDA, na sigla em inglês) aprovou o novo remédio contra a AIDS nos Estados Unidos. O comprimido, chamado de Stribild, simplifica o tratamento e dispensa o uso de outros medicamentos para combater a ação do vírus HIV. A aprovação da nova pílula contra a AIDS aconteceu na última segunda-feira (27).

507920 EUA aprovam novo remédio contra AIDS EUA aprovam novo remédio contra AIDSO medicamento combina as substâncias de outros quatro remédios contra Aids. (Foto:Divulgação)

Diferentes dos outros remédios distribuídos até então, o Stribild combina drogas já autorizadas e proporciona um tratamento completo contra a AIDS. Ingerindo um comprimido por dia, o soropositivo não precisa consumir tantos remédios através do coquetel e pode prevenir a evolução do vírus.

Um comprimido único contra a AIDS

O novo medicamento contra a AIDS é fabricado pela Gilead Sciences na Califórnia e antes de ser aprovado passou por várias análises. Para avaliar a eficácia da fórmula, os especialistas testaram o remédio em 1.400 pacientes, realizando dois testes clínicos.

De acordo com os resultados, o Stribild apresenta um desempenho tão eficaz quanto os demais medicamentos no organismo do soropositivo. Alguns pesquisadores acreditam que a nova composição é até mais poderosa do que outras opções disponíveis no mercado, afinal, ela reduz o HIV a níveis indetectáveis em nove entre dez pacientes, no prazo de 48 semanas de tratamento medicamentoso.

507920 EUA aprovam novo remédio contra AIDS 2 EUA aprovam novo remédio contra AIDSO Stribild é fabricado pela Gilead Sciences na Califórnia (Foto:Divulgação)

Segundo Edward Cox, um dos responsáveis por avaliar o remédio, o comprimido diário contra a AIDS é uma das evoluções mais importantes para o tratamento da doença que afeta o sistema imunológico. Ele afirmou que, a partir de agora, o soropositivo não terá o desgaste de ingerir múltiplas pílulas para conter o avanço do HIV, afinal, tudo será resolvido com um único medicamento.

A composição do Stribild

Stribild combina quatro remédios em sua composição: Truvada, Elvitegravir, Cobicistat e Tenofovir. O novo comprimido mescla em sua fórmula os agentes da primeira pílula de prevenção ao vírus da AIDS, também apresenta a substância que combate uma enzima e outra que potencializa os efeitos contra o avanço do HIV.

Saiba mais: Truvada: Pílula que previne o contágio de HIV

O medicamento foi aprovado para o uso de pacientes adultos, mas outros estudos são necessários para liberar o consumo da pílula por crianças e mulheres. A FDA considera importante verificar se há interação com outras substâncias capazes de comprometer a segurança do soropositivo.

507920 EUA aprovam novo remédio contra AIDS 1 EUA aprovam novo remédio contra AIDSUm único comprimido do Stribild por dia dá conta do tratamento contra a Aids. (Foto:Divulgação)

Embora o Stribild seja um remédio simples e eficaz, ele pode causar efeitos colaterais no paciente, tais como problemas no fígado e nos rins, enfraquecimento dos ossos, acúmulo de ácido láctico no sangue, diarreia e enjoos. No entanto, as reações adversas do comprimido são leves e moderadas.

Para potencializar o tratamento contra AIDS com Stribild, é importante que o paciente soropositivo realize terapias capazes de identificar e atender suas necessidades individuais. Desta forma, fica mais fácil lidar com a manutenção do tratamento.

O Stribild será fabricado em versões genéricas, para que assim seja possível atender a demanda dos países com poucos recursos e que sofrem com a epidemia da AIDS.

Veja também: Mitos e verdades sobre o HIV

A categoria Saúde do portal Mundodastribos.com é um espaço informativo de divulgação e educação sobre os temas relacionados à saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento, sem antes consultar um profissional de saúde.