Pepsico admite falhas no envasamento de Toddynho

A PepsiCo, admitiu que houve falha no processo de produção em sua fábrica de Guarulhos (SP) e que esse erro foi o responsável por…

A PepsiCo, admitiu que houve falha no processo de produção em sua fábrica de Guarulhos (SP) e que esse erro foi o responsável por embalagens do achocolatado Toddynho tivessem produtos de limpeza e não a bebida.

O esclarecimento partiu de Vladimir Maganhoto, diretor de negócios da unidade de negócios Toddynho, e ocorreu em entrevista concedida a Folha Online. Ele declarou que o produto consumido por pessoas que sofreram queimaduras e efeitos de intoxicação vinha de um lote no qual o dispositivo que impedia os produtos usados para limpeza do tanque de armazenamento falhou.

Declarou que os funcionários notaram o problema após quatro minutos, quando as embalagens começaram a sair da esteira em temperatura elevada e interromperam o funcionamento da máquina, descartando o que havia sido envasado de maneira imprópria, porém, cerca de 80 caixinhas do achocolatado podem ter sido enviadas para o comércio.

A solução de limpeza é composta por água e uma concentração de detergentes a 2%, no qual pode conter soda cáustica.

O caso

No dia 29 de setembro, consumidores do Rio Grande do Sul começaram a relatar que tiveram queimaduras na boca ao ingerir a bebida. De acordo com a Folha Online, o produto teve a venda suspensa em todo o estado no mesmo dia, assim como a secretaria estadual de saúde não recomenda o consumo do produto em embalagens de 200ml vindos de qualquer loja antes do resultado dos próximos exames.

Até hoje, foram recebidos relatos de 32 casos suspeitos de intoxicação espalhados em doze municípios.

O centro Estadual de Vigilância Sanitária do Rio Grande do Sul declarou que o lote L4 32, com validade até 19/02/2012 tinha um pH 13,3, em uma escala que vai de 0 a 14. O alto valor se aproxima de itens como soda cáustica e água sanitária.

Outras medidas estão sendo tomadas: as vigilâncias estadual e municipal de São Paulo já estiveram na fábrica de Guarulhos quatro vezes e ainda vão preparar um relatório, mas que ainda não tem um prazo para ficar pronto.

Top