Os novos Patrimônios da Humanidade da UNESCO

A Organização das Nações Unidas para a Cultura, Ciência e Educação (UNESCO) criou, em 1972, o programa Patrimônio da Humanidade. O objetivo principal é…

A Organização das Nações Unidas para a Cultura, Ciência e Educação (UNESCO) criou, em 1972, o programa Patrimônio da Humanidade. O objetivo principal é localizar, classificar e catalogar sítios do mundo inteiro que tenham destaque em suas funções culturais ou naturais para garantir sua preservação. Anualmente, a entidade divulga as atualizações da lista, que já conta com quase mil sítios em mais de uma centena de países, são os novos patrimônios da humanidade da UNESCO.

No final de junho deste ano, 25 sítios ganharam o status de Patrimônio da Humanidade e passaram a integrar a famosa lista. Os escolhidos para fazer parte da lista relativa às belezas naturais foram localidades da Austrália, do Japão e do Quênia: Costa de Ningaloo, Ilhas Ogawasara e Lagos do Vale do Rift, respectivamente. Na Jordânia, o Deserto de Wadi Rum foi eleito como um sítio de beleza natural e cultural. Os outros 21 sítios estão relacionados ao valor cultural e, entre eles, destacam-se: a Cidadela da Dinastia Ho, no Vietnã, o Jardim Persa, no Irã, as gravuras rupestres das Montanhas Altai, na Mongólia.

A reunião para a decisão foi realizada em Paris e o grande destaque foi para a Alemanha. O país teve o maior número de candidaturas aceitas, como a Fábrica Fagus. Para saber mais sobre os novos Patrimônios da Humanidade do mundo inteiro, acesse o site da UNESCO, pois a viagem, mesmo que virtual, é imperdível e vale a pena pesquisar.

No Brasil

No território brasileiro é possível encontrar 11 locais que já fazem parte da lista mundial de Patrimônios da Humanidade da UNESCO. A lista foi iniciada em 1980 e durante essa década os seguintes itens foram adicionados: a cidade de Ouro Preto, em Minas Gerais, os Centros Históricos de Olinda (PE) e Salvador (BA), as ruínas de São Miguel das Missões (RS), o Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas do Campo (MG), o Parque Nacional de Foz do Iguaçu (PR) e o Plano Piloto de Brasília (DF).

Na década de 90, foram incluídos na lista o Parque Nacional Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato (PI), os Centros Históricos de São Luís do Maranhão (MA) e de Diamantina (MG), as Reservas de Mata Atlântica do Sudeste (SP e PR) e a Costa do Descobrimento (BA e ES). A partir de 2000, mais seis localidades se destacaram na listagem feita pela UNESCO: Complexo de Áreas Protegidas da Amazônia Central e do Pantanal, Centro Histórico da cidade de Goiás (GO), Áreas Protegidas do Cerrado na Chapada dos Veadeiros e no Parque Nacional das Emas (GO), Ilhas Atlânticas Brasileiras – Reserva de Fernando de Noronha e Atol das Rocas (RN) e, em 2010, a Praça de São Francisco, no município sergipano de São Cristóvão. Para saber detalhes sobre cada um desses sítios, visite o site do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN): http://portal.iphan.gov.br .

Top