Moedas próprias nas favelas do Rio de Janeiro

A favela Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, tem moeda própria desde o dia 15 de setembro de 2011. O…

A favela Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, tem moeda própria desde o dia 15 de setembro de 2011. O CDD, como é chamada a nova moeda em referência ao nome da cidade, não exclui a circulação do real entre os moradores. A nova moeda tem finalidade de incentivar a comercialização exclusiva dentro da comunidade, com o objetivo de estimular o consumo local, fazendo com que a riqueza fique na cidade.

Para conseguir a moeda, que tem valor equivalente ao real, os moradores vão a bancos comunitários dentro da própria comunidade, lá eles obtêm o CDD. A vantagem é que se consegue 10% de desconto nas compras. Os bancos comunitários têm notas em real, para fazerem as trocas. Há 5 notas com valores que vão de cinquenta centavos até 10 reais e elas são estampadas com os rostos de moradores da favela, uma forma de homenagear quem mora lá. Todas as notas seguem o padrão de segurança do real, impressas em papel-moeda, elas contém um dispositivo de segurança.

Não foi averiguado nenhuma situação de irregularidade (falsificação ou câmbio não autorizado) com as notas de uso interno, com organização social muito peculiar, a Cidade de Deus coíbe esse tipo de ação, quando os próprios moradores atuam como fiscais.

Os comerciantes já se cadastraram (mais de cem) e a comercialização com a moeda comunitária já começou. Eles agradecem porque o comércio local é estimulado e as pessoas deixam de gastar seu dinheiro fora da favela, já que com o CDD é possível conseguir muitos descontos.

No mesmo Brasil, moedas diferentes

Já existem atualmente 53 moedas sociais, seja em bairros pobres (em São Paulo e no Espírito Santo) ou em comunidades mais distantes como as indígenas. O pioneiro nesse sentido foi o conjunto Palmeira, um bairro com 32 mil habitantes da cidade de Fortalezam no Ceará, com a comercialização da palma.

Leia Também:  O Sorriso de Mona Lisa e Seu Mistério

Segundo o diretor substituto do departamento de Economia Solidária do Ministério do Trabalho, Haroldo Mendonça, nenhuma delas é da dimensão da Cidade de Deus. Com a situação de violência que a favela já viveu e, além disso, ela está localizada no Rio de Janeiro, uma vitrine para o mundo.

Ainda no Rio de Janeiro, há a intenção de implantação da moeda comunitária em outras áreas, possivelmente as próximas serão feitas no Complexo do Alemão e a comunidade do Santa Marta, ambas marcadas pela luta ao tráfico.

Top