Assédio moral no ambiente de trabalho é um dos graves problemas do século XXI

Convivemos em uma sociedade que se transforma a cada dia. Com os avanços da tecnologia, as pessoas passaram a se comunicar através de meios…

Por Editorial MDT em 20/12/2011

Imagem: (Foto Divulgação)

Convivemos em uma sociedade que se transforma a cada dia. Com os avanços da tecnologia, as pessoas passaram a se comunicar através de meios eletrônicos, reduzindo a comunicação pessoal. Para compreender todo esse método de transformação, um olhar mais atento para as relações interpessoais é urgente e imperativo.

O problema da degradação da qualidade das relações pessoais muitas vezes surge no trabalho. Um ambiente, muitas vezes despótico, sem respeito, com conversas grosseiras e brincadeiras de mau gosto, ferindo a dignidade e o respeito pelo próximo. Está instituído neste local um importante problema do século XXI: assédio moral, o qual origina lesões por vezes sem cura ao bem estar dos trabalhadores.

De acordo com o levantamento realizado pela OIT (Organização Internacional do Trabalho), o assédio moral já é avaliado um grave problema para a saúde pública. Os dados revelam ainda que, 42% dos brasileiros afirmaram ter aturado algum tipo de assédio moral.

Uma pesquisa do caso divulgado no site OMS (Organização Mundial da Saúde) aponta que, na Bulgária, o assédio moral e sexual  é muito frequente no ambiente de trabalho. O principal aspecto para esse acontecimento fundamenta-se no papel do homem e da mulher na coletividade, sendo que, tradicionalmente, a mulher sempre foi vista como objeto sexual.

No Brasil, nos últimos dez anos, foram notados acrescentamentos a respeito desse assunto. O debate sobre os princípios éticos no trabalho recebeu destaque nas discussões parlamentares, empresariais e em várias associações.

É importante destacar que um ato isolado não é caracterizado como assédio mortal. Para que o comportamento equivocado no local de trabalho seja entendido como assédio aspectos como: intencionalidade, temporalidade, repetição metódica e deterioração determinada das condições de trabalho devem estar presentes.

Todavia, práticas frequentes de abuso ao respeito, cidadania, dignidade humana, imagem, e autoestima devem ser tratadas como coação moral, já que ferem o direito à igualdade presumido na Constituição Federal. O trabalho não se limita apenas à vinculação econômica dependente, mas presume o respeito ao próximo, a colaboração e reconhecimento, probidade e afetividade ética.

Em tempos de constantes progressos, temos que dar atenção aos princípios básicos de convivência humana. As relações de trabalho devem priorizar a compostura humana e a ética profissional.

É necessário rever as técnicas e os valores sobre as relações humanas e lutar para impedir que esse ímpeto no ambiente do trabalho afete o cotidiano e o desenvolvimento profissional dos profissionais do nosso país.

Top