Cursos a distância de Harvard e Stanford

Para ter funcionários qualificados é necessário investir em cursos de capacitação. É exatamente isso que empresas como L’Oreal, Sodex, Fedex, Coca-Cola e Philips estão…

Por Élida Santos em 24/10/2011

Para ter funcionários qualificados é necessário investir em cursos de capacitação. É exatamente isso que empresas como L’Oreal, Sodex, Fedex, Coca-Cola e Philips estão fazendo, por meio de aulas online ministradas por profissionais de universidades renomadas, como Harvard e Stanford. As empresas contratam um fornecedor, que “constrói uma universidade virtual” com diversos cursos que atendam as suas necessidades. Quanto melhor o ambiente tecnológico e a quantidade de cursos disponíveis, melhor é o desempenho do profissional da empresa.

Essa iniciativa faz com os funcionários se preparem para atuarem em situações de mudanças culturais, adoção de novo modelo de negócios, competição no mercado internacional, fusões e aquisições ou cortes de custos. São muitos os métodos adotados para ensinar técnicas comportamentais diante dessas situações, o conteúdo de universidades como de Harvard e Stanford, fazem toda diferença.

Além de treinar e capacitar funcionários de grandes empresas, os cursos ajudam áreas com falta de mão de obra qualificada.

De olho nesse mercado, a CrossKnowledge (CK), uma das maiores empresas de e-learning  do mundo, e a franco-brasileira Digital SK firmaram uma parceria e oferecerão 10 mil cursos online. Elas adaptarão o conteúdo dos cursos para português do Brasil. Contratarão professores de universidades brasileiras, para desenvolverem cursos específicos às necessidades das empresas daqui. O investimento exato não é divulgado, mas está acima dos R$ 10 milhões.

“O custo é, entre 10 e 30 vezes menos. Treinar um executivo top em Harvard, por exemplo, seria ao menos 15 vezes mais caro. E, para a empresa, o preço cai, uma vez que, os contratos variam conforme o número de usuários. Por R$ 1 mil, você pode treinar um executivo,durante um ano, em um curso da Harvard”, explica o presidente da CrossKnowledge.

“Nos próximos cinco anos, estimo que 20% do mercado e 80% das grandes companhias vão usar nossa solução online. Essa é a realidade na França e na Inglaterra, por exemplo”, explica Michaël Ohana, CEO da CrossKnowledge.

De acordo com Ohana, a crise teve um impacto positivo para a CK e a SK. “As empresas conseguem fazer caixa, treinando mais pessoas com menos dinheiro.Estamos crescendo”, afirmou. Outro fator, para o executivo é que, em tempos de crise, as pessoas ficam mais ansiosas para progredirem. “Quanto mais habilidades elas possuem, mais fácil de conseguirem emprego, porque se tornam mais valiosas.”

Top