394 Mil Novos Empregos: Brasil bate Record pelo Quarto Mês seguido

394 Mil Novos Empregos: Brasil bate Record pelo Quarto Mês seguido

Desde o início do ano, milhares de pessoas vêm ficando desempregadas, um desespero para quem perde o único sustento. Porém as notícias começam a…

Por bety em 26/11/2020

Desde o início do ano, milhares de pessoas vêm ficando desempregadas, um desespero para quem perde o único sustento. Porém as notícias começam a mudar e passam a ser mais esperançosas, pois o Ministério da Economia registrou no mês de outubro, 394 mil vagas de empregos formais.

Esse já é o quarto mês seguido que as vagas de emprego vêm crescendo e superando as demissões, inclusive são vagas com carteira assinada. Mesmo com tantas vagas e ofertas de emprego, o país ainda está longe de superar as demissões que ocorreram na parte mais aguda da pandemia.

Novos empregos com carteira assinada

Novos empregos com carteira assinada (Foto: Reprodução)

Economia brasileira

A economia brasileira vem crescendo cada vez mais e só nesse mês de outubro atingiu uma marca histórica, desde que a pandemia começou, foram 394,989 vagas de emprego com carteira assinada. Segundo informações do Ministério da Economia essa é o maior registro de empregos nessa categoria já registrado no Caged, desde o ano de 1992. Segundo Paulo Guedes, Ministro da Economia essa é uma notícia extraordinária, que não poderia deixar de ser dada aos brasileiros.

De acordo com Guedes, se for comprar o acumulado de 2020 até o mês de outubro, o país abriu mais vagas de empregos, do que demissões, que foram o reflexo da pandemia do coronavírus, aqui no Brasil. E tem mais, é bem possível que o país recupere essas vagas que ainda faltam, até o final de 2020.

Parcial de 2020

Nos dez meses iniciais do ano em vigor o país teve uma perda de 171.139 empregos, trabalhadores que tinham carteira assinada. Já no ano anterior, nesse mesmo período de dez meses o país teve um número significativo de contratações, foram 841.589 profissionais contratados para trabalhar.

As demissões que ocorreram durante esse ano são um reflexo do impacto da recessão da economia do país que foi gerado pela pandemia do covid 19.

Agência do Trabalhador.
Curitiba, 16/01/2015.
Foto: José Fernando Ogura/ANPr

Setores da Economia

Os setores da economia que mais geraram empregos foram os seguintes:

  • Indústria geral – 86.426
  • Construção civil – 36.296;
  • Comércio – 115.647;
  • Serviços – 156.766;
  • Agropecuária – -120;
  • Administração pública – 6.009;
  • Outros serviços – 2.976.

Por região

As cinco regiões do país, de acordo com o Ministro da Economia, tiveram maior número de contratações do que de demissões.

  • Sudeste – 186.884;
  • Nordeste – 69.519sul
  • Sul – 92.932;
  • Centro-Oeste – 25.024;
  • Norte – 20.658.

De acordo com informações oficiais, 9,8 milhões de trabalhadores tiveram que reduzir a jornada de trabalho para poder continuar trabalhando, e até mesmo, foram dispensados do trabalho nos últimos meses deste ano. A redução do caso de jornada foi de 67% e de suspensão de trabalho foi 43%. Uma lástima o que ocorreu durante esse ano, mas, por causa do programa Manutenção de Emprego, muitos trabalhadores conseguiram ficar nos seus empregos.

O governo ainda prevê pagar$ 33,6 bilhões dentro do programa, ainda este ano. Foram gastos até agora R$ 29,3 bilhões. Os trabalhadores que aderem o programa, não podem demitir os funcionários, durante o período que ficaram suspensos ou afastados. Para o governo o país está em uma ótima fase de recuperação da economia

Top