Zumbido no ouvido: o que fazer

A percepção de um som que não esta sendo gerado no ambiente acomete em torno de 278 milhões de pessoas (dados da Organização Mundial…

Por Editorial MDT em 18/04/2012

O zumbido no ouvido é um problema muito comum.

A percepção de um som que não esta sendo gerado no ambiente acomete em torno de 278 milhões de pessoas (dados da Organização Mundial da Saúde- OMS). Atualmente no Brasil existem cerca de 28 milhões de pessoas que convivem com esse problema. Entretanto, existem tratamentos que envolvem até mesmo o uso de outros ruídos para competir com som característico do zumbido.

Principais causas

O zumbido no ouvido é também conhecido pela comunidade científica internacional como “tinnitus”. O sintoma nem sempre é originado por barulhos estridentes. Muitas doenças podem ser causadoras desse tipo de problema e várias causas podem se manifestar em uma única pessoa.

Quando causado devido ao excesso de barulho, esse zumbido ocorre a partir de uma lesão nas células da cóclea (no ouvido), proveniente de uma forte pressão no tímpano. Além disso, é um sintoma que varia de intensidade entre os pacientes, o barulho pode ser permanente ou temporário.

Segundo o professor, é provável que o trauma desapareça depois de alguns dias após o aparecimento do ruído, como também o paciente pode ter uma lesão crônica que pode durar o resto da sua vida.

Até mesmo crianças podem manifestar o problema.

O que fazer para tratar o zumbido 

1. Tranquilidade: grande parte dos pacientes diminui a percepção do zumbido com palavras confortantes que eliminam a suspeita de qualquer tumor na cabeça ou enlouquecimento;

2. Evitar ambientes barulhentos: os ambientes muito barulhentos devem ser evitados, pois o barulho aumenta o zumbido;

3. Evitar cafeína: a cafeína é estimulante e causa agitação, aumentando o zumbido. Dessa forma devem ser evitados café, chocolate, chá (preto e mate) e refrigerantes tipo cola que também contém cafeína;

4. Fumo e bebidas alcoólicas: devem ser evitados, pois são considerados fatores agravantes do zumbido;

5. Medicamentos que devem ser evitados: alguns medicamentos podem causar o zumbido, como por exemplo, a Aspirina e os anti-inflamatórios. Alguns pacientes ainda tomam outros tipos de medicamentos, o que dificulta para saber qual deles está causando o problema;

6. Alterações psicológicas: caso haja alguma alteração que seja relevante como a depressão e a ansiedade, o indicado é procurar ajuda de um psicólogo ou até mesmo de um psiquiatra para avaliar o caso;

7. Tratamento medicamentoso: não existe uma forma única de tratamento medicamentoso, cada caso é remediado de maneira diferente. Portanto o tratamento deve ser ideal para cada paciente;

8.      Tratar a causa: tratar a causa é o mais indicado, neutralizando, suprimindo ou curando o causador do problema, melhorando o zumbido;

9. Terapia de habituação: trata-se de uma terapia comportamental, um novo treinamento das vias auditivas. Essa terapia tem como objetivo provocar o desaparecimento de reação ao som do zumbido e a perda de sentimentos negativos que estão associados a ele;

 10. Aparelho auditivo: o uso desse aparelho pode melhorar de forma significativa a tolerância do zumbido ao paciente.

Ficar sem zumbidos no ouvido é um alívio.

Existem várias causas e tipos de tratamentos para o zumbido, entretanto é indispensável adaptá-las a cada tipo de paciente. Consulte um otorrinolaringologista para maiores orientações. Procure as informações corretas e atualizadas. Isso pode ajudar a entender o zumbido e os problemas associados.

Top