Veja a relação de corantes de alimentos e a hiperatividade infantil

Veja a relação de corantes de alimentos e a hiperatividade infantil e como pode ajudar o seu filho a não consumir esse tipo de alimento…

Veja a relação de corantes de alimentos e a hiperatividade infantil e como pode ajudar o seu filho a não consumir esse tipo de alimento que pode ter reflexos devastadores. De acordo com o Comitê de Regularização Sanitária e de Saúde dos Estados Unidos, que discutiu a força das evidências em torno dos corantes alimentares e alterações de comportamento em crianças que eles podem ter.

Leia mais informações sobre: Hiperatividade na vida adulta: o que fazer

Veja a relação de corantes de alimentos e a hiperatividade infantil (Foto: Divulgação)

Veja a relação de corantes de alimentos e a hiperatividade infantil

Veja a relação de corantes de alimentos e a hiperatividade infantil segundo indícios e pesquisas, mesmo sem ter dados conclusivos. Uma petição feita em 2008 por um grupo de vigilância de Washington, que fez a solicitação por meio do Comitê de Regularização Sanitária e de Saúde dos Estados Unidos pensa em proibir o uso de oito corantes alimentares diferentes, incluindo amarelo n º 5 – encontrados em massas e mistura de queijo, Gatorade lima-limão, cereais Lucky Charms, e muitos outros alimentos que são consumidos com frequência.

Não consuma corante (Foto: Divulgação)

Pessoas com sintomas de hiperatividade podem ter isso agravado por corantes

Os sintomas de hiperatividade podem indicar que não é bom consumir coisas com corantes. O problema está também em que as pessoas consomem mais corantes em um alimento só do que imaginam. Por isso, é preciso ter atenção com relação a esse tipo de exposição, ainda mais para uma criança, que além de tudo, pode ter males na sua personalidade e a tal hiperatividade.

Saiba mais informações sobre: Conheça o tdah: transtorno do déficit de atenção e hiperatividade

Muitos alimentos possuem corantes (Foto: Divulgação)

Problemas de atenção

Os aditivos alimentares podem estar ligadas a problemas de atenção de acordo com alguns indícios que surgiram há mais de três décadas atrás, quando o pediatra da Califórnia Ben Feingold, desenvolveu uma dieta livre de corantes e aromatizantes artificiais que supostamente causava sintomas de hiperatividade em crianças. Mais tarde a dieta começou a ser questionada depois de um tempo.

Consumo de alimentos sem corantes (Foto: Divulgação)

Nada confirmado

“Eu não acho que houve uma grande quantidade de evidências, sugerindo que os corantes e aditivos alimentares retirados estavam ajudando essas crianças”, diz Deborah Pearson, diretora do Research TDAH Laboratório da Universidade do Texas – Houston Centro de Ciências da Saúde.

Leia Também:  Vestidos tamanhos plus size: dicas, como usar

“Para um subconjunto muito pequeno de crianças pode ter ocorrido uma indicação diferenciada, mas para a grande maioria não comendo biscoitos com o corante vermelho não fez diferença”, explicou.

Top