Transtorno disfórico pré-menstrual: saiba mais

Transtorno disfórico pré-menstrual: saiba mais

A tensão pré-menstrual, conhecida popularmente pela sigla TPM, é um problema capaz de provocar profundas mudanças no bem estar feminino, causando desconforto, irritabilidade, ansiedade,…

Por Editorial MDT em 23/05/2013

A tensão pré-menstrual, conhecida popularmente pela sigla TPM, é um problema capaz de provocar profundas mudanças no bem estar feminino, causando desconforto, irritabilidade, ansiedade, dor nas mamas, distensão abdominal e cefaleia (dor de cabeça). Entretanto, uma pequena parcela do público feminino pode desenvolver a TPM em um grau bem mais grave. Fique por dentro do assunto e saiba mais sobre o transtorno disfórico pré-menstrual.

Entenda a tensão pré-menstrual.

O Transtorno disfórico pré-menstrual é uma forma mais grave de TPM. (Foto: divulgação)

O que é o transtorno disfórico pré-menstrual

Chamado popularmente de TDPM, o transtorno disfórico é uma manifestação mais grave da TPM, com incidência que varia entre 3 a 8% da população feminina. Diferente da apresentação pré-menstrual clássica, mulheres com TDPM apresentam sintomas bem mais severos, muitas vezes chegando a ser incapacitante. Esse problema necessita de tratamento adequado, pois é capaz de interferir diretamente na vida social e profissional da mulher.

Sintomas de TDPM

A maioria dos sintomas é bastante semelhante aos da TPM, sendo que o principal diferencial é a intensidade com que se apresentam. Entre as queixas mais comuns de TDPM é possível destacar:

  • Dores nas mamas;
  • Sensação de inchaço abdominal;
  • Palpitação;
  • Cefaleia, dores musculares e articulares;
  • Ataques de pânico;
  • Tristeza profunda e desespero, podendo cursar com idealizações suicidas;
  • Ansiedade e tensão extremas;
  • Crises de diarreia;
  • Labilidade emocional e choro fácil;
  • Irritabilidade e raiva incontroláveis;
  • Dificuldade de concentração;
  • Cansaço;
  • Distúrbios do sono, como insônia ou hipersonia.

A TDPM causa prejuízos sociais e profissionais. (Foto: divulgação)

Como fazer o diagnóstico

Para diagnosticar o problema é possível seguir a proposta do “Manual de Diagnóstico e Estatística”, da Associação Psiquiátrica Americana, que propões os seguintes critérios:

A.    Os sintomas devem ocorrer durante a semana anterior à menstruação e remitirem poucos dias após o início desta. Cinco dos seguintes sintomas devem estar presentes e pelo menos um deles deve ser o de número 1, 2, 3, ou 4:

1.     Humor deprimido, sentimentos de falta de esperança ou pensamentos autodepreciativos.
2.      Ansiedade acentuada, tensão, sentimentos de estar com os “nervos à flor da pele”.
3.     Significativa instabilidade afetiva.
4.     Raiva ou irritabilidade persistente e conflitos interpessoais aumentados.
5.     Interesse diminuído pelas atividades habituais.
6.     Sentimento subjetivo de dificuldade em se concentrar.
7.     Letargia, fadiga fácil ou acentuada falta de energia.
8.     Alteração acentuada do apetite, excessos alimentares ou avidez por determinados alimentos.
9.     Hipersonia ou insônia.
10.   Sentimentos subjetivos de descontrole emocional.
11.   Outros sintomas físicos, como sensibilidade ou inchaço das mamas, dor de cabeça, dor articular ou muscular, sensação de inchaço geral “e ganho de peso”.

B.    Os sintomas devem interferir ou trazer prejuízo no trabalho, na escola, nas atividades cotidianas ou nos relacionamentos.

C.    Os sintomas não devem ser apenas exacerbação de outras doenças.

D.    Os critérios A, B, e C devem ser confirmados por anotações prospectivas em diário durante pelo menos dois ciclos consecutivos.

Confira algumas mensagens engraçadas para Facebook sobre TPM.

É fundamental procurar ajuda médica, pois o problema necessita de tratamento. (Foto: divulgação)

O transtorno disfórico pré-menstrual se caracteriza por uma síndrome pré-menstrual com sintomas muito intensos. Esse problema feminino é muito incapacitante, capaz de causar grandes prejuízos sociais e profissionais, e por isso é muito importante que seja feito diagnóstico e acompanhamento médico.

Top