Sobre a falta de bom senso

Redacao 25/04/2016 Colunas

Não é novidade para ninguém que a religião dita regras no Estado e que isso acontece desde a Idade Média. Também não deveria ser novidade que essa mistura até hoje só trouxe resultados desastrosos e muito pouco benefício. E o Estado laico ataca novamente.
Na verdade a notícia não é nova; o projeto de lei que está sendo discutido é de 2007, mas creio (e posso estar enganada) que voltou à discussão porque além de meter o bedelho na vida, no corpo e no futuro de milhares de mulheres, agora também quer obrigar milhares de profissionais a quebrarem o código de ética de sua profissão.
O projeto de lei que me refiro foi apelidado de “Bolsa Estupro”, que só pelo nome já temos uma noção que vem muito, mas muito desrespeito à cidadã brasileira pela frente. O projeto prevê a proibição do aborto em todos os casos, o que inclui risco de vida para mãe (porque claro, sua vida não é importante, só do feto) e violência sexual (porque a proteção cristã da vida ignora que ao redor do feto tem um ser humano, e não um recipiente, aparentemente) e o pagamento de um salário mínimo por mês durante 18 anos para a mãe violentada.
Para completar a falta de bom senso da lei, ela não prevê auxílio psicológico à mãe e ao bebê. Somente coloca no psicólogo do Estado a obrigação de convencer essa mãe a ter o bebê, violando as relações entre terapeuta-paciente, o direito constitucional da mulher, a liberdade de escolha, o código de ética profissional, o direito à vida que essa mulher teoricamente teria e subestimando toda e qualquer inteligência entre os envolvidos. Em outras palavras, esse projeto de lei é praticamente um atentado contra uma parte expressiva da população.
Tentemos ser coerentes: uma mulher vítima de estupro carrega em si um trauma que nenhum desses homens, super preocupados com a vida humana, conseguiria conceber, nem com muito exercício de inteligência. Ao gerar uma vida fruto dessa violência, ela terá dentro de seu corpo, por 9 meses, 9 longos meses, a comprovação de que não foi somente um pesadelo, a certeza de que seu corpo não somente foi violado, mas tornou-se alimento e abrigo de algo pelo qual ela não ansiava, não aprovou e não deseja.
Qualquer pessoa com algum QI sabe que gravidez não é o período mais agradável fisicamente na vida de uma mulher. Apesar de toda aquela coisa bonitinha de gerar a vida, o feto se alimenta dessa mulher, seus hormônios enlouquecem, sua coluna vira “lenda”, seu corpo incha e várias partes de sua anatomia ficam em constante sofrimento; fora o parto, que é uma tremenda agressão ao corpo.
Mas ter o filho nos braços faz com que essa mulher esqueça as dores, o sofrimento e todo o resto, pela emoção que ter seu bebê proporciona; quando a mulher ama esse bebê. Quando esse bebê não a lembra do pior momento da existência de qualquer ser humano.
Que o bebê é inocente, nem entro em discussão, mas ele carrega em si 50% do agressor, e nem toda mulher tem condições psicológicas de lidar com isso. Então o projeto de lei prevê um salário mínimo por mês, durante 18 anos para essa mulher.
Como se dar a ela um salário de fome, que não garante o sustento de ninguém, fosse a solução mágica de todos os problemas. Não, Sr. Deputado Federal, não resolve. Não sustenta, não ajuda, não contribui, não faz diferença nenhuma para melhorar a vida de ninguém.
Que tipo de vida feliz e saudável terá essa criança? Talvez tenha, não podemos generalizar, mas se a mulher foi obrigada pela lei dos homens a ter esse bebê, contra a sua vontade, será que ela terá condições de oferecer o mínimo de estrutura para garantir um crescimento saudável ao bebê? Será que garantir esse nascimento “pelo bem da vida humana” não é fruto de uma visão mesquinha, simplista e limitada sobre o próprio conceito de viver? Será que essa própria criança se sentirá privilegiada por estar viva contando com o provável desprezo da mãe, o sentimento de culpa por ter vindo ao mundo, a rejeição por ser não somente indesejada, mas fruto do pior momento da vida da mãe e ainda a certeza de que metade de sua genética é proveniente de um monstro?
Então, senhores legisladores, será que não é cruel demais da parte de vocês obrigarem suas eleitoras, vítimas da estupidez, machismo e ignorância de certos homens, a conviverem diariamente e serem socialmente forçadas a demonstrar algum tipo de amor pela personificação de sua dor, humilhação e outros indizíveis sentimentos que o estupro provoca? E do ponto de vista mais prático: será que o Estado tem condições de “sustentar” por 18 anos todas as crianças geradas pela violência sexual?
Enfim, que os políticos do mundo inteiro tem uma forte inclinação a desrespeitar as mulheres, já não é nenhuma novidade (o surpreendente é isso não ter mudado ainda), agora, o projeto de lei querer obrigar psicólogos a manipular emocionalmente suas pacientes é quase risível. Se não for uma grande piada, merece muito mais do que nossa indignação – merece que tal piadistas de quinta jamais recebam novamente o direito de nos representar, porque convenhamos, isso já está indo longe demais.

Maya Falks é escritora, publicitária e roteirista. Contista premiada, é editora de blog homônimo e apaixonada por literatura, música, cinema e propaganda, sendo devotada às palavras em suas mais diversas manifestações.

Contato: [email protected]

Blog: www.mayafalks.blogspot.com

Twitter: www.twitter.com/MayaFalks

Outros artigos

Como se Maquiar para Balada

23/02/2011

Como se Maquiar para Balada

Sair a noite para dançar, se divertir e brindar a vida com os amigos. Esta é a função da balada, festa da noite, promover momentos de muita descontração, música ...

Celular Motorola 2 Chips em Oferta

10/03/2011

Celular Motorola 2 Chips em Oferta

Para aquelas pessoas que não agüentam mais ter que adquirir mais de um aparelho celular para que possa aproveitar as promoções de outras operadoras uma ótima n...

Reutilizar caixas de sapato: ideias

12/07/2012

Reutilizar caixas de sapato: ideias

Em todas as casas, sempre há coisas jogadas, para lá e para cá. Por mais que as pessoas sejam organizadas, é inevitável; onde há muita gente sempre há um pouco de de...