Saúde e Ação: Esportes que Tratam Doenças

A prática de exercícios e de esportes faz parte da manutenção da saúde. Investir algumas horas semanais nessas atividades proporciona bem-estar e aumenta a…

A prática de exercícios e de esportes faz parte da manutenção da saúde. Investir algumas horas semanais nessas atividades proporciona bem-estar e aumenta a disposição. Com isso, haverá uma reserva de energia para esforços imprevistos, como subir as escadas quando falta energia elétrica ou trabalhar além do horário normal.

Os exercícios regulares retardam o envelhecimento de todas as estruturas do corpo, aumentam a expectativa e a qualidade de vida e dão uma aparência mais jovem. Para as crianças, que estão em período de crescimento, eles ajudam a formar massa muscular, favorecem um ganho potencial de altura e o desenvolvimento da coordenação motora.

Os esportes são importantes para as pessoas saudáveis e fundamentais no tratamento e no controle de algumas doenças e distúrbios – como bronquite, diabetes, hipertensão arterial e estresse. Da mesma forma, no tratamento da obesidade.

Para começar, qualquer exercício regular melhora a capacidade respiratória, pois aumenta a quantidade de ar que entra e sai dos pulmões, ampliando a oxigenação do sangue e dos tecidos. O treinamento aumenta a flexibilidade, a agilidade e a resistência dos músculos e das articulações. Assim as chances de lesões, mal-estares, dores nas costas e torções são reduzidas.

Para as mulheres, além de manter a beleza e as medidas corporais, ajuda a prevenir a osteoporose. Segundo estudos recentes, mulheres que adotaram atividades moderadas desde a juventude ou a partir dos 30 anos, melhoraram a fixação do cálcio no organismo, reduzindo a incidência da perda de massa óssea na idade avançada.

O combate ao estresse é outro item importante, especialmente nas grandes metrópoles. Esportes e exercícios de relaxamento diários reduzem em ate 30% as complicações cardiovasculares em pacientes hipertensos e baixam a depressão. A competição saudável e o convívio social permitido pelo esporte também são aliados, pois previnem a depressão e a ansiedade, diminuem a tensão e elevam a auto-estima.

Em uma época na qual a palavra de ordem é controlar o colesterol, prevenindo a aterosclerose, hipertensão e outros males cardiovasculares, não da pra ficar parado. Os exercícios fortalecem as paredes do coração, que fará menor esforço para bombear um maior volume de sangue para o organismo. Mais condicionado, o músculo cardíaco irá suportar esforços sem altera o ritmo dos batimentos.

Mas como escolher uma modalidade que se adapte ao estilo de vida e dê prazer? Segundo especialistas, há três tipos de movimento; atividade física, exercícios e esportes. A atividade física é todo tipo de movimento que promove gasto energético (caminhar, ir do quarto para a sala, e correr). Os exercícios são as atividades, físicas com ritmo frequência e tempo de duração. Os esportes têm disputa, regras definidas, preocupação com o desempenho.

A escolha da modalidade esportiva pode ser feita a partir das características físicas e possibilidade reais de cada um. Alguém com alto e que tem velocidade, pode sair-se melhor no basquete do que uma pessoa com estatura inferior a 1m60 e menor agilidade. Mas isso não significa que a pessoa de perfil físico menos adequado ao basquete não deva praticar este esporte.

A idade também conta. Após os 30 anos, a ginástica e a caminhada ajudam a aumentar a resistência necessária para praticar atividades como a corrida, o vôlei e o basquete. Acima dos 40, devem-se preferir exercícios que firmem a musculatura dêem flexibilidade e mantenham o condicionamento. Depois dos 50, o melhor são as atividades suaves que melhorem a respiração e dêem elasticidade.

Na hora de ajudar a tratar uma doença, a escolha é outra. Pessoas com problemas respiratórios ou bronquite asmática podem optar pela natação, desde que um exame médico exclua a possibilidade da doença ser causada justamente por atividade física. Diabéticos beneficiam-se da natação, da caminhada e da bicicleta, que incrementam a ação da insulina (quando esta é indicada), aumentando a utilização da glicose e do oxigênio pela massa muscular em atividade.

Para obesos, caminhar e nadar são ótimos, porque poupam a pressão sobre a coluna e as articulações. O aproveitamento do que as atividades físicas podem oferecer depende de uma avaliação física e clínica para medir as condições do organismo e escolher o programa adequado. Com uma indicação acertada, o esporte pode torna-se um grande aliado para a cura.

A organização Mundial da saúde (OMS) recomenda que todas as pessoas com mais de 30 anos se submetam a teste de esteira, ou bicicleta com eletrocardiograma antes de definir seu programa de atividade física e esporte.

Top