Rússia: 20 anos sem Comunismo

Com o fim da União Soviética em dezembro de 1991, o comunismo deixou de existir para acontecer à transição de regime democrático. Há vinte…

Com o fim da União Soviética em dezembro de 1991, o comunismo deixou de existir para acontecer à transição de regime democrático. Há vinte anos o cenário era de grandes mudanças, com impactos na economia, na sociedade e política. Levanta-se então uma nova Rússia, embasada pelo capitalismo e atuante na busca por espaço no cenário mundial.

O regime comunista na Rússia

O período durou 74 anos e representou um grande marco na história do século XX devido ao grande extermínio de inocentes. O início do regime no território se deu com os bolcheviques, que buscam inspiração nas idéias de Marx. Apesar da proposta ser interessante, ela não foi implantada de maneira satisfatória na União Soviética.

A busca revolucionária para melhorar as condições de vida do povo não funcionou como era esperado. A criação de uma nova sociedade sem Estado e sem divisão de classes começou a ser difundida em 1917, logo após o ataque dos revolucionários que tiraram o poder do último imperador da Rússia, o czar Nicolau II.

Lênin iniciou seu trabalho a frente da União Soviética e seu mandato foi marcado pela Nova Política Econômica. Com sua morte em 1924, Stálin se instala no poder e passa a comandar o país de forma sanguinária. Durante a administração do ditador, estima-se que 700 mil pessoas tenham morrido, sendo a maior parte formada por camponeses. Cultuando a sua própria figura, Stálin não parava de aumentar a sua lista de crimes na URSS, até que finalmente sua posse chega ao fim com sua morte em 1953.

O que mudou na nova Rússia através do Capitalismo

Na economia, o Estado ainda ocupava um papel importante nas decisões, mas o mercado se consolidou e a ‘propriedade privada’ voltou a existir em território russo. Antes os meios de comunicação eram estatais, mas com o fim da URSS também acaba a intensa censura que existia com relação a TV. Na política passou a existir menos autoritarismo e os centros comerciais começaram a ganhar espaço na Rússia.

Leia Também:  Fiocruz faz parceria para produzir medicamento contra o vírus HIV

Na união Soviética o trabalho era tido como uma obrigação, já na Nova Rússia cada indivíduo passa a ser livre para escolher a própria profissão. Com o fim da Guerra-Fria, a indústria de armamento parou de produzir com tanto vigor. Lojas e supermercado privados passaram a vender produtos dentro das diretrizes do capitalismo. Se durante a URSS as moradias pertenciam ao Estado, a partir de 1991 as pessoas podiam comprar suas casas e se declarar proprietários.

Hoje é possível constatar que a Rússia incorporou o espírito consumista e as pessoas demonstram interesse pelo mercado de luxo. Na URSS as roupas eram desenhadas por um estilista do Estado, já posteriormente os indivíduos adquiriram mais liberdade para se vestir. A mesma ideia pode ser associada ao comportamento dos russos. A vida noturna soviética era repleta de restrições, mas com o fim da União Soviética, Moscou se transformou na cidade mais badalada da Rússia.

E, de repente, todos os bens de consumo estavam disponíveis na Rússia para compra e todos os setores evoluíram com esse advento.

Top