Remédio Diabético Pode se Tornar um Grande Aliado ao Câncer Remédio Diabético Pode se Tornar um Grande Aliado ao Câncer

Remédio Diabético Pode se Tornar um Grande Aliado ao Câncer

Um remédio diabético pode se tornar um grande aliado na luta contra o câncer. A descoberta é de autoria dos pesquisadores e oncologistas José…

Por Redacao em 16/09/2011

Um remédio diabético pode se tornar um grande aliado na luta contra o câncer. A descoberta é de autoria dos pesquisadores e oncologistas José Barreto Campello Carvalheira e Guilherme Zweig Rocha, do Laboratório de Oncologia Molecular da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Isso coloca o Brasil em destaque no que se refere ao conhecimento científico. A ciência caminha a passos largos rumo à cura de uma das doenças mais temidas da humanidade.

A descoberta do remédio diabético que pode ajudar na luta contra o câncer foi possível a partir da percepção dos estudiosos em que eles notaram um denominador comum entre aquela doença e o diabetes tipo 2, a obesidade. O estudo foi divulgado na revista norte-americana Clinical Cancer Research.

O excesso de gordura e o câncer constituem uma relação que pode ser evitada. O Instituto Nacional de Câncer (Inca) afirma que há fatores que podem evitar a doença e a obesidade é a segunda na possibilidade de desenvolvimento dos tumores. No diabetes, o mesmo acontece: aqueles que estão com muitos quilos a mais têm três vezes mais risco de desenvolverem diabetes do que indivíduos com peso normal.

Partindo do princípio em comum entre as duas moléstias, essa questão começou a se intensificar cada vez mais na mente dos pesquisadores, o que se tornou então um norte para os estudos. Assim, foram olhar mais atentos para o remédio indicado para diabéticos, cuja base é a metformina, que pode diminuir os níveis de colesterol ruim e triglicérides e é ele agora considerado o grande aliado na luta contra o câncer.

Os cientistas sabiam que ao entrar na célula, a tal substância ativava uma determinada proteína responsável pela proliferação das células, dessa forma, pensaram que seria preciso ter um quimioterápico com efeitos nessa mesma proteína. O que ocorreu foi a associação de drogas e o resultado maravilhoso.

O bendito remédio fez parte de uma análise que ligou a metformina, a principal substância usada no tratamento do diabetes tipo 2, ao quimioterápico paclitaxel, utilizado em portadores de câncer de mama e pulmão. Dessa forma, foi percebido que o crescimento do tumor estagnou-se em estudo realizado in vitro em cobaias.

Os estudiosos sugeririam então que a união de paclitaxel e metformina resulta em minimização do desenvolvimento, crescimento, proliferação e diferenciação das células, assim, pode ser um caminho muito positivo e proveitoso para o tratamento contra uma doença que há muitos anos faz a sociedade acadêmica correr atrás da sua cura: o câncer.

Os pesquisadores ganharam Prêmio Octavio Frias de Oliveira de Personalidade de Pesquisa em Oncologia, no valor de R$ 8 mil reais, além de um certificado. A iniciativa, ocorreu em parceria com o Grupo Folha, com a intenção de fomentar as pesquisas relativas ao câncer. O Prêmio foi dado em dois grupos: Personalidade de Destaque e Pesquisa em Oncologia.

Pesquisas e mais pesquisas sobre remédio contra o câncer devem ser conhecidas cada vez mais por toda a sociedade, já que muitos cientistas recebem dinheiro público por isso, portanto, nada mais justo que todos ficarem a par das novidades do mundo da ciência, ainda mais se tratando de saúde, descobertas ainda incipientes.

Top