Relatório da Onu prevê calor, secas e chuvas cada vez mais intensas

O planeta precisa se organizar para encarar secas mais intensas, calor e chuvas mais ríspidas. É o que revela um levantamento realizado por cientistas…

Por Editorial MDT em 29/03/2012

O documento assinala regiões individualmente vulneráveis, como as metrópoles em desenvolvimento, as zonas costeiras e ilhas.

O planeta precisa se organizar para encarar secas mais intensas, calor e chuvas mais ríspidas. É o que revela um levantamento realizado por cientistas e divulgado nesta quarta-feira(28) pelo Painel Intergovernamenal de Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês).

O relatório de 592 páginas, cujas principais conclusões já foram divulgadas em novembro, é a súmula mais completa até o momento para expor a relação entre emissões de fases que antecipam o efeito estufa, aquecimento global e eventos meteorológicos extremos, como secas, tufões, ondas de calor e enchentes.

Os especialistas afirmam que já possuem informações o suficiente para que as autoridades governamentais tomem as decisões apropriadas sobre a modo de encarar os riscos catastróficos. De acordo com o IPCC, há vestígios de que certos acontecimentos extremos de 50 anos atrás foram decorrência das alterações climáticas, e os cientistas preveem uma intensificação dos fenômenos nas próximas décadas.

“No futuro é provável que a duração e o número de ondas de calor aumentem em muitas regiões do mundo”, afirmaram os cientistas. Eles ainda preveem uma assiduidade maior de chuvas, secas prolongadas e ríspidas, sobretudo no sul da Europa e nos países mediterrâneos.

O documento assinala regiões individualmente vulneráveis, como as metrópoles em desenvolvimento, as zonas costeiras e ilhas. O relatório ainda cita a vulnerabilidade da cidade de Mumbai, na Índia, onde algumas regiões poderiam se tornar inabitáveis. “O mundo deverá se adaptar e reduzir as emissões de gases que aceleram o efeito estufa se quisermos enfrentar as mudanças climáticas”, disse o indiano Rajendra Pachauri, presidente do IPCC.

Este relatório, que se fundamenta em mais de mil pesquisas já divulgadas, e fornecerá para o próximo grande informe do painel intergovernamental, esperado para 2013-2014. Entre os 831 profissionais do Painel que vão compor seu quinto balanço de avaliação climática, a ser divulgada em 2014, 25 são brasileiros. O último informe foi divulgado em 2007.

Top