Programa de atendimento móvel para mamografia

Programa de atendimento móvel para mamografia

Na segunda-feira, dia 1 de outubro, o governo assinou uma portaria criando um programa de unidades móveis para a realização de mamografias. A estratégia…

Por Isabella Moretti em 04/10/2012

Na segunda-feira, dia 1 de outubro, o governo assinou uma portaria criando um programa de unidades móveis para a realização de mamografias. A estratégia visa alcançar as mulheres entre 50 e 69 anos, das camadas mais baixas da população. As unidades móveis percorrerão locais como interior e periferias das grandes cidades.

O governo implantará unidades móveis para a realização de mamografia. (Foto: divulgação)

O objetivo inicial é que cada unidade realize ao menos 800 mamografias por mês e, até 2014, que este número seja dobrado.

O financiamento das unidades móveis será compartilhado entre o governo federal, os estados e municípios, cabendo a estes a estratégia de atendimento.

A importância do projeto

Em relação aos cânceres, o de mama é o segundo que mais atinge a população feminina brasileira. Quanto mais cedo é feito o diagnóstico, maiores as chances de cura. Como uma grande parcela das mulheres não consegue acesso ao exame para a detecção da doença, o câncer de mama acaba atingindo e matando muitas delas.

Com as unidades móveis, acredita-se que serão feitos diagnósticos mais precocemente, dando a essas mulheres a possibilidade de tratamento. Hoje, cerca de 260 municípios do nosso país, que possuem mais de 100 mil habitantes, tem dificuldade de acesso ao exame de mamografia.

Os exames serão enviados por satélite para que um médico especialista avalie. (Foto divulgação)

Em 2012, aproximadamente 50 mil mulheres terão o diagnóstico do câncer de mama. De toda a população diagnosticada, apenas 20% teve a doença detectada precocemente. A importância desses dados é que, quando o diagnóstico é feito nos estágios iniciais, as chances de cura chegam a 95%. Diferentemente de quando é diagnosticada em estágios mais avançados, pois as chances caem para 30%.

O projeto visa detectar mais mulheres e mais precocemente, dando a elas a chance de cura. Para isso, os exames serão enviados via satélite, para um estabelecimento de saúde onde um médico especialista avaliará e dará o resultado em até 24 horas.

O tratamento e prevenção do câncer de mama

É recomendado, pela Sociedade Brasileira de Mastologia, que as mulheres a partir dos 40 anos realizem ao menos uma mamografia por ano. Porém, quando a mulher pertence ao grupo de risco, essa rotina deve ser iniciada aos 35 anos.

O grupo de risco é a paciente que:

  • Teve um parente de primeiro grau, abaixo dos 50 anos, com câncer de mama;
  • Possui parente de primeiro grau com câncer de mama bilateral;
  • Tem parente do sexo masculino com câncer de mama;
  • Já foram diagnosticadas com lesão mamária prévia.

Veja também sobre o câncer de mama em homens.

Quanto mais cedo o câncer é detectado, maiores são as chances de cura. (Foto divulgação)

Quando o câncer é detectado na fase inicial, não há necessidade de cirurgias. É possível preservar a mama e os linfonodos axilares. Além disso, quando é necessária uma cirurgia ela tende a ser com menor intensidade, possibilitando uma reconstrução da região de forma completa e sem a necessidade de quimioterapia.

O tratamento desses tumores depende do tipo e do tamanho do câncer. As formas de tratamento variam entre cirurgia, radioterapia, quimioterapia, hormonioterapia e anticorpos monoclonais.

Após o diagnóstico é importante um acompanhamento multiprofissional, com psicólogos, fisioterapeutas, nutricionistas entre outros.

Com esse novo projeto que será implantado pelo governo, mais mulheres terão a chance de cura do câncer de mama, uma vez que serão diagnosticadas mais precocemente. Além disso, a população feminina que não tem acesso ao exame terá a oportunidade de realiza-lo.

Conheça quais são os exames de rotina para mulheres.

 

Top