Programa contra a obesidade é eficaz para jovens

Jovens com sobrepeso, melhoraram a autoconfiança, comeram menos e realizaram um número maior de refeições em família, após participarem de um estudo de seis…

Por Editorial MDT em 20/02/2012

Imagem: (Foto Divulgação)

Jovens com sobrepeso, melhoraram a autoconfiança, comeram menos e realizaram um número maior de refeições em família, após participarem de um estudo de seis meses, voltado para a prevenção da obesidade. A análise completa foi divulgada na revista científica Pediatrics no início desta semana.

A pesquisa, bancada pelo Instituto Nacional de Saúde, nos Estados Unidos, é a primeira a gerar decorrências a longo prazo de um programa orientado exclusivamente para jovens. Geralmente a maior parte dos programas são encaminhados às crianças menores e à família. Para a pesquisa, foram acompanhadas 208 meninas, com idades entre 12 e 17 anos, que apresentavam sobrepeso ou eram obesas. Elas foram dividas em dois grupos, no qual o primeiro, participou  de um novo grupo de intervenção e o outro realizou acompanhamento padrão.

No novo grupo, as jovens, participaram de reuniões com outras jovens que passavam pela mesma situação e fizeram terapias com psicólogo todas as semanas durante os primeiros meses. Nas reuniões elas debatiam táticas de alimentação e atividades físicas. A finalidade era reduzir o número de alimentos consumidos; limitar a ingestão de alimentos rico em calorias; fundar um padrão de alimentação saudável; trocar refrigerantes e sucos por água e fazer refeições em família.

Além disso, elas foram instigadas a realizar atividade físicas pelo menos cinco dias semanalmente, com duração de 30 minutos a 1 hora. O tempo reservado para a televisão foi reduzido para duas horas. Elas ainda frequentaram aulas de ioga e jogaram videograme, o qual estimulava o exercício físico em casa.

Nos debates em grupos, as principais questões eram impedir distúrbios alimentares, lidar com as brincadeiras feitas por terceiros em relação ao peso e a criação de estratégias para tratar pensamentos negativos. Os pais também participaram de debates realizados separadamente de suas filhas.

As decorrências apontaram que as jovens que participaram do programa de intervenção perderam mais quilos do que as que realizaram o acompanhamento padrão.  “Cerca de um terço das adolescentes estão com sobrepeso ou obesidade e grande parte delas poderão ser adultas obesas”, disse Lynn DeBar, principal autora do estudo e pesquisadora do Centro de Estudos em Saúde Kaiser Permanente. “Nosso estudo mostra que programas de intervenção podem ajudar essas meninas a controlar o próprio peso e a aprenderem novos hábitos que provavelmente levarão para a vida adulta”, afirmou.

Top