Pré-eclâmpsia: o que é, sintomas, tratamento

A alteração de pressão específica da gravidez recebe o nome de pré-eclâmpsia e se instala a partir da 20ª semana. Esse problema deve ser…

A alteração de pressão específica da gravidez recebe o nome de pré-eclâmpsia e se instala a partir da 20ª semana. Esse problema deve ser identificado precocemente e tratado para que não coloque em risco a saúde da mãe e do bebê. Saiba mais sobre o assunto e veja os sintomas e tratamento da pré-eclâmpsia.

A pré-eclâmpsia deve ser monitorada durante a gestação. (Foto: divulgação)

O que é pré-eclâmpsia

A pré-eclâmpsia é um distúrbio que afeta aproximadamente 5% das mulheres gestantes. O diagnóstico do problema é feito no pré-natal, quando ocorre um aumento de pressão arterial e presença de proteína na urina após algumas semanas de gestação. O mais comum é que surja a partir da 37ª semana, mas na verdade, pode acontecer em qualquer período da segunda metade da gravidez, incluindo o período do parto ou mesmo depois. 

É possível ter sintomas de pré-eclâmpsia antes de 20 semanas, mas somente nos casos mais raros, como em uma gestação molar. Essa condição pode progredir de forma lenta ou rápida. Existem diversas doenças comuns na gravidez, é importante conhece-las para identificar rapidamente o problema.

Sintomas de pré-eclâmpsia

Normalmente a pré-eclâmpsia apresenta sintomas como:

  • Mãos, rosto e olhos inchados;
  • Ganho excessivo de peso em poucos dias;
  • Mais de um quilo por semana;
  • Dores de cabeça constantes;
  • Dor abdominal;
  • Agitação;
  • Náusea e vômito;
  • Alterações na visão;
  • Redução da quantidade de urina.

    A pré-eclâmpsia acomete gestantes por vários fatores. (Foto: divulgação)

Tratamento da pré-eclâmpsia

A única forma de controlar a pré-eclâmpsia e evitar que evolua para eclampsia, fazendo um acompanhamento do pré-natal criterioso e sistemático durante a gestação.

As mulheres com pré-eclâmpsia devem fazer repouso, medir com frequência a pressão arterial e adotar uma dieta com pouco sal. Os medicamentos anti-hipertensivos e anticonvulsivantes são indicados para o controle de quadros mais graves, que podem exigir a antecipação do parto. A doença regride de forma espontânea com a retirada da placenta.

A pré-eclâmpsia pode causar danos a saúde da mãe e da criança. (Foto: divulgação)

A pré-eclâmpsia é uma condição que acomete as mulheres ainda na gestação. Ela pode ser provocada por vários fatores e deve ser tratada, já que pode colocar em risco a saúde do bebê. Para saber mais sobre o assunto procure um médico especialistas. E, lembre-se de que é muito importante realizar o pré-natal corretamente, pois ele é a melhor forma de evitar complicações na gravidez. 

Top