Pesquisa divulga os países que mais cobram impostos de renda

A crise financeira na Europa e nos EUA com reflexos no intenso aumento da dívida pública ligada a um ano de eleições, acarretou  uma…

A Espanha elevou a taxa de imposto para pessoas físicas em 2 pontos percentuais, para 45% em 2011.

A crise financeira na Europa e nos EUA com reflexos no intenso aumento da dívida pública ligada a um ano de eleições, acarretou  uma discussão sobre a cobrança de impostos. Um levantamento realizado pela empresa de consultoria e auditoria KPMG no ano passado, com 96 países, divulga os que mais arrecadam mais impostos de renda de seus cidadãos.

Países como Dinamarca e Suécia aparecem entre os primeiros da lista. Mas foi Aruba, no Caribe, a cidade que liderou o ranking com a maior taxa de imposto de renda do mundo segundo a KPMG. O percentual máximo atual é de 59%. Mas cidadãos casados possuem um nível menor, em torno de 55%.

Leia mais: Confira os países que cobrem mais dias de folga aos funcionários

Fora a taxação sobre a renda, na cidade há uma série de impostos de seguridade social, que faz com que Aruba seja conhecida por ter um dos mais elevados padrões de vida no país.

Aruba foi a cidade que liderou o ranking com a maior taxa de imposto de renda do mundo segundo a KPMG

A crise na Europa está obrigando alguns países a ampliar os impostos. A Espanha, por exemplo, elevou o nível de imposto para pessoas físicas em 2 pontos percentuais, para 45% em 2011. Com a ascensão de François Hollande no comando, a França é outro país que estuda um modo de aumentar os impostos para os mais afortunados.

Nos Estados Unidos, o presidente Barack Obama sugeriu a chamada “regra de Buffett”, que propõe que cidadãos que recebem mais de 1 milhão de dólares paguem mais impostos proporcionalmente que cidadãos de classe média. No entanto, os republicanos foram contra a sugestão, alegando que ela prejudicaria a recuperação da economia americana.

Leia Também:  Avaliação positiva da direção Dilma alcança maior índice e atinge 59%

Todavia, existem diversos países com taxa de imposto superior aos 35% adquiridos nos EUA. Na realidade, o EUA está na 23º posição no ranking entre os países avaliados pela KPMG.

Top