Música alta ameaça audição de um quarto dos jovens, segundo pesquisa

Um em cada quatro jovens corre o risco de lidar com detrimento auditivo precoce, por causa do volume do som colocado no fone de…

Por Editorial MDT em 09/01/2012

Imagem: (Foto Divulgação)

Um em cada quatro jovens corre o risco de lidar com detrimento auditivo precoce, por causa do volume do som colocado no fone de ouvido dos tocadores de música, de acordo com um estudo realizado pela Universidade Tel Aviv.

Segundo a pesquisa, 289 jovens com idades entre 13 e 17 anos responderam a uma lista de perguntas sobre o volume que costumam ouvir música e por quanto tempo usam os aparelhos. Na segunda etapa da pesquisa, 74 jovens foram submetidos a análises auditivas.

Os resultados apontaram que 80% dos jovens usam tocadores de MP3 regularmente. Desse número, 20% usa o dispositivo por mais de uma hora e menos de quatro; e 8% dos jovens excedem o limite das quatro horas. Depois da apreciação das informações, os especialistas concluíram que 25% dos participantes estão sob sério risco de perda auditiva.

Os pesquisadores explicam que o detrimento auditivo acarretado pela exposição contínua a intensos ruídos é um procedimento lento e progressivo. “Em 10 ou 20 anos será muito tarde. Perceberemos que uma geração inteira de pessoas jovens está sofrendo de problemas auditivos muito mais cedo que o esperado pelo envelhecimento natural”, afirma Chava Muchnik, coordenadora do estudo.

Para os especialistas, seria necessário adotar medidas de segurança mais intensas  para os aparelhos. Além disso, eles também sugerem o uso de fones de ouvido que ficam sobre a orelha em vez dos produtos agressivos, que adentram no começo do canal auditivo.

No Brasil, não há uma lei especial sobre o limite máximo de decibéis por tocadores de MP3. A Sociedade Brasileira de Otologia recomenda que o volume não exceda 50% da capacidade total do dispositivo.

Top