Mulheres são melhores chefes que os homens, aponta pesquisa

E para quem acredita que é péssimo ter mulher como chefe, que o sexo feminino acaba tendo problemas na hora de liderar equipes, é…

Por Élida Santos em 05/04/2012

As mulheres tomam decisões mais democráticas (Foto: Divulgação)

E para quem acredita que é péssimo ter mulher como chefe, que o sexo feminino acaba tendo problemas na hora de liderar equipes, é melhor repensar esse conceito, mesmo porque esse tipo de supervisão está cada vez mais comum. Segundo um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Carlos III, que fica localizada na Espanha, em ambientes de trabalho que tem mulheres em cargos de gestão, as decisões são mais democráticas e a comunicação pessoal flui de uma forma mais contínua e melhor.

A pesquisa publicada na revista Journal of Business Research, analisou as diferenças entre grupos dirigidos por mulheres e homens. De acordo com Eduardo Melero, um dos autores do estudo, “as diferentes formas no estilo individual de liderança seguem as diferenças comuns entre os gêneros”. O pesquisador afirmou que nos ambientes comandados por supervisores e gerentes do sexo feminino o seguimento do funcionário é mais individualizado.

O ambiente de trabalho comandado por mulheres é melhor, segundo pesquisa (Foto: Divulgação)

De acordo com o levantamento, se o intuito da companhia é aplicar práticas voltadas para um aumento na relação entre a direção e os colaboradores, as chances de bons resultados são maiores sob a liderança desse público. Além disso, mesmo que de forma menos clara, o estudo observa, também, que as decisões são tomadas de maneira mais democrática pelas chefes mulheres, que tentam não misturar suas opiniões pessoais com o ato profissional.

Porém, o salário do mulheril no Brasil é 28% menor do que dos homens, de acordo com levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em 2011, elas receberam em média R$ 1.343,81 enquanto eles ganharam R$ 1.857,63. A mesma pesquisa também apontou que as mulheres trabalham menos que os homens, sendo 39,2 horas, na média, em 2011 contra as 43,4 horas do público masculino. Atualmente, a empresa que pagar salário menor para a mulher do que o do homem em uma mesma função pode ter de arcar com multa que varia de R$ 80,51 a R$ 805,09, segundo a CLT.

Top