Morrer em casa foi escolha de Hebe, afirma médico

Morrer em casa foi escolha de Hebe, afirma médico

Hebe Camargo, que faleceu nesse sábado, 29 de setembro, foi diagnosticada com um câncer no peritônio (membrana que envolve o interior do abdômen), um…

Por Élida Santos em 29/09/2012

Hebe Camargo, que faleceu nesse sábado, 29 de setembro, foi diagnosticada com um câncer no peritônio (membrana que envolve o interior do abdômen), um tipo raro da doença, em janeiro de 2010. De acordo com o médico Sérgio Simon, que cuidou da apresentadora, o estado de saúde da paciente piorou muito nos últimos seis meses, principalmente há uma semana. Muitos não sabem, mas ela chegou a fazer três cirurgias que não foram divulgadas à imprensa para preservá-la.

Leia mais sobre: Morre apresentadora Hebe Camargo

Hebe era muito querida no meio artistico (Foto: Divulgação)

 

O diagnóstico da doença veio junto com a sua saída do SBT. Após 24 anos na emissora de Silvio Santos, Hebe decidiu mudar de ares e foi para a Rede TV!, onde seu contrato seria de 1 milhão (mês). A apresentadora assinou com a emissora de Silvio Santos no último dia 27 de setembro, deixando a Rede TV!.

Hebe Camargo se alimentava via soro

A apresentadora estava se alimentando somente através de soro na veia, já que seu estado de saúde estava crítico. “Foi uma escolha dela, dos médicos e da família de ficar em casa nesse momento. A Hebe queria ir o mínimo possível ao hospital” declarou o especialista. De acordo com o doutor Simon, o único período em que Hebe Camargo não foi submetida à quimioterapia foi de julho de 2010 a abril de 2011.

Apresentadora escolheu passar seus últimos dia de vida em casa (Foto: Divulgação)


O tipo de câncer que foi diagnosticado em Hebe não costuma apresentar sintomas por muito tempo. Quando o doente percebe que tem o mal pode ser tarde para que o tratamento tenha bons resultados.  Os sintomas mais comuns do câncer no peritônio são: inchaço no abdômen, perda de apetite, dor abdominal, constipação ou diarreia e necessidade de urinar com frequência. Cinco em cada cem mulheres possuem essa doença, sendo que a maioria com idade avançada.

Top