Mitos e verdades sobre creatina

Os fisiculturistas e os lutadores de lutas marciais, além daquelas pessoas que pretendem ter mais músculos, certamente conhecem a creatina, uma substância que pode…

Os fisiculturistas e os lutadores de lutas marciais, além daquelas pessoas que pretendem ter mais músculos, certamente conhecem a creatina, uma substância que pode ser produzida pelo corpo, sendo sintetizada pelo fígado, rins e pâncreas. Ela pode ser retirada da alimentação, ou seja, principalmente de carnes vermelhas e de peixes. Porém, para aqueles que praticam atividades físicas intensas, o modo mais fácil de consumir essa substância é através de suplementos alimentares.

A creatina age contraindo os músculos, sendo uma reserva de energia a ser utilizada nas atividades físicas de curta duração, alta intensidade e que tenham curtos períodos de recuperação. Assim, ela faz com que haja aumentos de reservas de creatina nos músculos, dê volume muscular e  resistência à fadiga dos músculos.

No entanto, há muitos mitos e verdades sobre a creatina. Para saber quais são realmente verdadeiros, antes de começar a usar a creatina, leia esse artigo com atenção.

Há pessoas que tomam grandes quantidades de creatina esperando que os seus efeitos sejam maiores e mais rápidos. No entanto, isso não funciona, sendo isso um grande mito. A verdade é que o nosso organismo se encarrega de excretar todo o excesso da creatina, pois ele não o utilizará. Além do mais, pesquisadores americanos descobriram que se doses menores, ou seja, de 5 gramas por dia de monohidrato de creatina forem ingeridos, melhores serão os resultados, e sem passar pela fase de saturação.

E por falar nessa fase, há um mito que diz que ela seja obrigatória. Ela seria necessária, porém, não obrigatória, apenas para fisiculturistas de elite ou para atletas de força, mas para o restante da população, a dose de 5 gramas diárias é o suficiente para obter bons resultados.

Leia Também:  Interromper a menstruação: mitos e verdades

Outro mito diz que a creatina faz mal para os rins e para o fígado. Isso pode acontecer somente se você tiver um problema de saúde antes de começar a ingerir a creatina, porque ela não é nociva à saúde, segundo um estudo realizado em atletas que consumiram a substância por 5 anos e não apresentaram nenhuma anomalia nesses órgãos.

Um mito constante e perigoso é o de que todas as creatinas sejam iguais. Assim como um eletrônico mais caro tem mais qualidade que um barato, uma creatina mais barata pode conter impurezas. Portanto, uma creatina, que tem baixos custos, certamente tem outras substâncias em sua composição que podem até ser nocivas à sua saúde.

Esses são alguns mitos e verdades sobre a creatina. Sendo assim, antes de começar a usá-la, tome as devidas precauções e não exagere nas doses, pois você só estará desperdiçando o produto.

 

Top