Mitos e verdades do balão intragástrico

O tratamento com balão intragástrico envolvem muitos mitos que acabam assustando os pacientes. Aqui você encontra um pouco do que é verdade e do…

O tratamento com balão intragástrico envolvem muitos mitos que acabam assustando os pacientes. Aqui você encontra um pouco do que é verdade e do que é mito, em relação ao tratamento.

O balão é colocado de forma endoscópica dentro do estômago. O paciente é sedado para não haver dor ou qualquer tipo de complicação. Após a colocação, os médicos enchem esse balão com ar ou com líquido. Hoje em dia, o líquido é o mais usado, pois se mostrou  mais eficiente.

Normalmente o líquido é uma mistura de soro fisiológico e um corante azul. Se houver vazamento, poderá ser percebido na urina. O vazamento não compromete o funcionado do estômago nem do resto do organismo, mas, o sistema deve ser removido assim que houver o vazamento. Ele tem uma validade de 6 meses, garantida pelo fabricante.  Passado disso, ele deve ser trocado.

Um mito é que há a possibilidade de não emagrecer, nada, com o balão. Isso é mentira. Toda e qualquer pessoa que usar do balão intragástrico como tratamento, vai perder peso mais cedo ou mais tarde. São muitos os mitos e verdades do balão intragástrico que acabam confundindo quem deseja passar pelo procedimento.

O balão deve ser usado apenas em pessoas com IMC entre e 27 e 32, que já não correspondem mais aos tratamentos médicos e dietas. Ele também pode ser usado em pessoas com IMC acima de 35, que é a obesidade mais grave. Normalmente, ele é colocado em pacientes que talvez não suportem a cirurgia de redução de estômago.

Entre os mitos do balão intragástrico, está o fato de que se vazar é algo que pode matar ou coisa do tipo. Não, o vazamento pode acontecer e não significa que vai haver uma complicação mais séria com o organismo. Mas ele precisa ser removido, mesmo porque perdeu sua função.

Leia Também:  Sucos que rejuvenescem, receitas

Não existem relatos de complicações mais sérias com o uso desse tratamento. É um procedimento seguro, que existe há mais de 20 anos. Houve casos isolados de perfuração que levaram à cirurgia, mas são médicos inexperientes ou então irresponsáveis.

O balão dá uma impressão de saciedade, evitando que o paciente coma em excesso, por ansiedade. Comendo pouco, ele já fica satisfeito. A colocação é feita com anestesia e sedação, mas depois do procedimento pode haver um pouco de dor na garganta. Todo esse incomodo pode ser controlado, com a ajuda de medicamentos específicos para esse tratamento. Converse muito com o médico antes de qualquer decisão. Tire todas as dúvidas e fique por dentro do assunto.

Top