Maneiras de se Utilizar os Porquês

A língua portuguesa é uma das mais complexas que existem em todo o mundo, seus vocábulos são aparentemente infinitos e ricos em pronuncias e…

Por Redacao em 29/06/2011

A língua portuguesa é uma das mais complexas que existem em todo o mundo, seus vocábulos são aparentemente infinitos e ricos em pronuncias e nomenclaturas. Dentre as línguas estudadas no mundo esta é a que demonstra maior dificuldade para aprendizagem, e tal abordagem vai alem dos estudos daquele que não ouvinte costumeiro da língua, pois os próprios falantes da língua portuguesa não possuem total conhecimento sobre o idioma.

Dentre as regras de ortografia contidas na linguagem temos o uso dos porquês, eis que estes geram muitas dúvidas e geralmente saem errados nos textos de estudantes, e até mesmo daqueles que já estudaram o assunto, se vêm formados ou mesmo trabalhando em outros ramos que o utilize e necessite de aplicação da linguagem escrita, que no caso não é realizada de forma adequada.

Temos quatro maneiras de escrever tal vocábulo, sendo elas: Por que, por quê, porquê e porque. E cada uma delas obviamente é escrita em determinado contexto narrativo, ou exposição de fatos.

Primeiramente em análise ao uso do “por que”, como regra básica observamos que este é comumente utilizado em exposições de motivos, no qual o relacione com possíveis substituições como: “pelo qual” ou “por qual”, por exemplo na frase: “Como é lindo o caminho por que passamos”, na qual o “por que” pode ser substituído por “pelo qual”. Assim como, em inícios ou meio de frases para formulação de indagações, como “Por que você não veio me visitar hoje?”.

Depois temos o “por quê” que também é utilizado na formulação de indagações, entretanto este é colocado no final das frases, como por exemplo em “Você não veio me visitar hoje, poderia me dizer o por quê?”. Não necessariamente ele deverá vir antes do ponto de interrogação, e sim de qualquer pontuação (exclamação, ponto final) desde que ainda tenha o significado de “por que motivo” ou “por qual razão”. Exemplo: “Andar por quê? Vamos de bicicleta.”

Temos ainda o “porque”. Tendo em vista que os acima citados são comumente utilizados em perguntas, também haveriam de ter aqueles usados em respostas, como ocorre com esse de agora. Geralmente o “porque” é utilizado em respostas, como “Não quero comer porque estou sem fome”. Alguns ainda o chamam de conjunção casual ou explicativa, o que seria quase a mesma coisa de utilização em respostas. De maneira bem simplificada e fácil de lembrar, pode-se equivaler essa escrita a palavras como “pois”, “para que” ou ainda “uma vez que”, substitua por essas palavras e analise seu encaixe na frase. Exemplo, “Não chore porque prejudicará você mesmo” ou “Não chore uma vez que prejudicará você mesmo”.

E para finalizar temos o “porquê”, tudo junto e com acento. Este “porquê” tem uma função diferenciada dos demais, pois ele é utilizado como substantivo, ou seja, sempre vira após um artigo, adjetivo, numeral, ou mesmo um pronome, como em “O porquê de não falar com você é porque estou chateada”. Esta modalidade também tem valor de substituição por “o motivo” ou “a razão”.

Agora você não tem mais motivos para escrever errado os “porquês”. Lembre-se dessas regras que com certeza se sairá bem.

Top