Mãe e Filha Mortas em Atropelamento em São Paulo são Enterradas

Foram enterradas na manhã desta segunda-feira (19) a mãe, Miriam Baltresca, de 58 anos, e a filha dela, Bruna Bralesca, de 28. As vítimas…

Por Redacao em 19/09/2011

Foram enterradas na manhã desta segunda-feira (19) a mãe, Miriam Baltresca, de 58 anos, e a filha dela, Bruna Bralesca, de 28. As vítimas morreram na noite de sábado (17) quando foram atropeladas por um carro quando saiam do shopping Villa-Lobos na Marginal Pinheiros. A cerimônia aconteceu no Cemitério do Araçá na Zona Oeste de São Paulo.

A mãe e filha morreram quando estavam dirigindo-se até o carro pela calçada depois de terem saído do shopping. Miriam morreu no local do acidente. A filha, Bruna, chegou a ser socorrida mas faleceu logo em seguida no hospital. O motorista, ficou ferido, foi medicado e por fim preso.

O condutor, um auxiliar de bibliotecário de 33 anos foi levado ao 14° Distrito Policial em Pinheiros, depois transferido para o 91° Distrito Policial e ainda hoje será deslocado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Belém. De acordo com informações divulgadas pela polícia, o ponteiro do carro do motorista travou marcando 100 km/h, sendo que o limite estabelecido na Marginal é de 70 km/h. A polícia também informou que bombeiros e médicos que participaram do atendimento relataram que o homem apresentava sinais de embriaguez. Devido às condições o condutor do veículo que atropelou e matou as vítimas irá responder por homicídio doloso, ou seja, com intenção de matar, já que o motorista assumiu o risco de matar alguém ao ingerir bebidas alcoólicas sabendo que iria dirigir. Uma coleta de sangue foi feita para averiguar se o condutor estava realmente bêbado.

O filho e irmão das vítimas, Rafael Baltresca, palestrante de 31 anos, se diz arrasado com o acidente, mas promete não guardar rancor. Rafael é órfão de pai e perdeu agora sua mãe e única irmã. O parente das vítimas disse que busca justiça e que quer que o culpado pague pelo que fez. O palestrante reclama da política do país no qual as leis existem, mas pouco é feito, e caracteriza o Brasil como ridículo “onde se coloca cerveja e álcool como drogas socialmente aceitas”, afirmou.

Além de acabar com a família o condutor irresponsável acabou com o sonho de Bruna Bralesca que havia pedido exoneração de uma função pública a duas semanas para aprender inglês em uma viagem no exterior.

Mais informações em breve.

Top