Laboratório brasileiro cria linha de cosmético à base do veneno de abelha

Uma clínica em Tautí, interior de São Paulo, criou uma linha de produtos de beleza fundamentado no veneno de abelhas produtoras de mel. O…

Por Editorial MDT em 21/02/2012

Imagem: (Foto Divulgação)

Uma clínica em Tautí, interior de São Paulo, criou uma linha de produtos de beleza fundamentado no veneno de abelhas produtoras de mel. O cosmético, aprovado pela Anvisa (pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e recentemente lançado no mercado, induz a pele resistir ao veneno elevando a fabricação de colágeno e aprimorando a elasticidade. Segundo um dos especialistas, Ciro Protta, o princípio ativo do produto, que ainda possui pólen e mel, é a melitina uma proteína presente na toxina da abelha.

A proteína ‘ilude’ a pele, conduzindo a impressão de uma picada de abelha e liberando uma reação ao veneno. A circulação do sangue melhora e as células mortas da pele são suprimidas, diminuindo as rugas. Protta estuda as abelhas há mais de vinte anos e além deste, desenvolveu outros produtos fundamentados no mel, própolis e veneno, os quais também entraram no comércio de produtos.

Como a aquisição da toxina sempre foi uma dificuldade, já que, quando uma abelha avança contra um indivíduo, ela perde seu ferrão e acaba morrendo, o especialista desenvolveu e registrou uma ferramenta que admite a coleta do veneno sem matá-las. Trata-se uma haste suavemente energizada que é assentada na abertura da colméia. Quando a abelha entra, leva um pequeno abalo e reage com ferroadas, expelindo o veneno que desce para uma embalagem. Como não perde o ferrão, a abelha sai intacta.

Top