IPI de carros importados recebe acréscimo

Para quem tinha em seus planos a ideia de comprar um carro importado, os últimos dias não trouxeram boas notícias. O governo aumentou o…

Por Editorial MDT em 21/09/2011

Para quem tinha em seus planos a ideia de comprar um carro importado, os últimos dias não trouxeram boas notícias. O governo aumentou o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para os carros importados. A taxação sofreu um aumento de 30 pontos percentuais e já está em vigor desde o dia (16), estando prevista para valer no mínimo até o final de 2012, segundo o Guia Quatro Rodas.

Nem todas as marcas sentirão o impacto deste aumento, como é o caso de fabricantes que estão instaladas no Brasil, pois esta taxação não é aplicada desde que as marcas preencham determinados pré-requisitos. A principal deles é de que seus automóveis tenham no mínimo 65% de suas peças produzidas no Brasil, México ou países do Mercosul. Ao todo são 11 requisitos de investimento, das quais pelos menos 6 devem ser preenchidas e cuja certificação deve ser feita pelo Ministério do Desenvolvimento de Industria e Comércio Exterior.

Conforme informações do G1, as empresas que fabricam produtos no país ou contratam sua industrialização sob encomenda foram habilitadas de forma provisória por 45 dias.

Medida visa proteger a indústria brasileira

Na data do anúncio deste aumento, o Ministro da Fazenda Guido Mantega justificou o ato como um meio de estimular a produção nacional e garantir a geração de empregos do setor no Brasil. De acordo com o Guia Quatro Rodas, a demanda do consumo interno estava sendo atendida por importações, o que gerava o risco de exportar postos de trabalho que poderiam ser ocupados por brasileiros.

Fabricantes chinesas são as mais afetadas com o aumento

Os principais afetados pela medida devem ser as marcas chinesas, que nos últimos meses vinham com crescimento expressivo no mercado brasileiro, especialmente a JAC e Chery, que alcançaram respectivamente o segundo e o terceiro lugar no ranking da Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores (Abeiva). A nova política, tida como “instável” pode acabar sendo um empecilho para novos investimentos chineses no mercado brasileiro, de acordo com representantes da Associação dos Fabricantes de Carros de Passeio da China (CPCA), como veiculado pela Folha Online.

Ainda segundo informações do portal, o consumidor deve sentir o impacto da medida quando acabarem os estoques de veículos com IPI antigo nas concessionárias, previsto para ser em um mês porém algumas marcas já incorporaram o repasse já no terceiro dia em vigor.

Fontes

Top