Incidência de problemas cardíacos aumenta no inverno

Além de elevar as chances de desenvolver problemas respiratórios, como asma, bronquite e rinite, o inverno também favorece os problemas cardíacos. A estação mais…

Risco de problemas cardíacos é maior durante a temporada de frio (Foto:Divulgação)

Além de elevar as chances de desenvolver problemas respiratórios, como asma, bronquite e rinite, o inverno também favorece os problemas cardíacos. A estação mais fria do ano diminui a circulação sanguínea do corpo, inclusive do coração, aumentando as chances de dor no peito e até mesmo de infarto agudo do miocárdio.

Veja também: Mitos e verdades sobre o infarto

Frequência de problemas cardíacos é maior nos meses de frio

De acordo com a American Heart Association (Associação Americana do Coração), o inverno eleva o risco de doenças cardiovasculares. Os autores do trabalho calculam que a incidência de problemas no coração é de 20% a 25% maior em comparação com a temporada de calor.

Os riscos de sofrer um infarto ou algum problema cardíaco durante o inverno são maiores entre as pessoas que possuem predisposição (hipertensos, fumantes, obesos) ou que já sofram com doenças capazes de afetar os vasos sanguíneos e o coração.

Os problemas de saúde se manifestam devido às reações do organismo, afetado pelas baixas temperaturas. O sistema cardiovascular precisa buscar o equilíbrio térmico, superando possíveis hipotermias, mas isso faz com que ele fique sobrecarregado e acabe trabalhando intensamente. Em resposta à sobrecarga, o corpo pode apresentar aumento da frequência cardíaca, respiração superficial e constrição dos vasos sanguíneos.

Dores no peito e infarto são mais frequentes durante o inverno. (Foto:Divulgação)

Com o frio, o sangue circula menos até o coração, pois os vasos sanguíneos se encontram alterados, em especial as artérias. Esta condição faz com que o corpo tenha tendência para desenvolver problemas de saúde e, na pior das hipóteses, morte súbita. Com o sistema circulatório trabalhando de forma irregular, aumentam as chances de isquemia no coração (falta de circulação nas artérias) e angina (dor no peito).

Leia Também:  Ômega-3 não reduz risco de câncer, segundo pesquisa

Os especialistas afirmam ainda que as doenças virais, típicas do inverno, afetam diretamente a circulação sanguínea, pois causam inflamações nas artérias. Diante de um quadro de infecção ou virose, por exemplo, o coração precisa fazer um esforço maior e isso desencadeia o desequilíbrio do músculo cardíaco.

Para manter a temperatura adequada, o corpo realiza contrações que causam o aumento da pressão arterial, que também são chamados de espasmos. Com isso, o organismo adquire predisposição para formar coágulos sanguíneos e ainda exige que o coração trabalhe excessivamente para bombear o sangue por todo o corpo.

As doenças virais também aumentam as chances de problemas cardiovasculares. (Foto:Divulgação)

Outras pesquisas apontam que cerca de 30% dos infartos que ocorrem no Brasil são desencadeados pelas mudanças bruscas de temperatura, por isso é importante manter a saúde cardíaca sob controle. Em idosos o risco pode ser ainda maior e elevam as chances de AVC (Acidente vascular cerebral).

Saiba mais: Doenças inflamatórias do coração

Como cuidar do coração no inverno?

– É essencial praticar exercícios físicos regularmente;

– Evitar o excesso de alimentos ricos em gorduras;

– O cigarro também faz mal para a saúde cardíaca, por isso não fume;

– Controle o colesterol e a pressão.

 

Top